Família retrô

Quantas vezes você já acordou com saudades de tempos que não voltam mais? Tem dias que a gente só queria reviver as férias na casa da vovó, com aquele bolo de fubá fumegante, apoiado na beirada do fogão. E aquela nostalgia que bate das suas coleções de infância? Figurinha, selo, moeda… são tantas lembranças daquelas vezes que você foi pentelhar o vizinho atrás de uma lata importada, que faria toda a diferença na sua coleção. Também tem gente que sente saudade de uma época em que ainda nem era nascido. E vive de garimpar objetos do passado, apostar em um topetão anos 50 e desfilar por aí num Cadillac lustroso.

Foi pensando em trazer de volta a sensação de conforto e que as lembranças de outrora nos proporcionam, sem esquecer das necessidades dos dias de hoje, que a Brastemp ampliou a linha retrô, que antes possuía o Frigobar, e agora passa a contar também com Refrigerador e Fogão. Os produtos trazem cantos arredondados, puxadores externos salientes e o logo do esquimó, símbolo da marca nos anos 60, combinado à melhor economia de consumo de energia do mercado. As belezinhas chegam ao mercado em vermelho, amarelo e preto.

O refrigerador frost free traz porta-latas e cestinha de frutas removíveis, além de possuir controle eletrônico externo, compartimento extra-frio e espaço para congelados especiais. Tudo isso com uma capacidade de 352L. O fogão tem quatro bocas e abas removíveis, para você fazer charme exibindo seus quitutes para as visitas. O baksplash, que fica na parte de trás do fogão, tem perfume vintage e ainda evita respingos na parede. Com a cara da década de 1950, o fogão tem performance digna da segunda década dos anos 2000, como a mega-chama e a função grill, que auxiliam na sua missão de super-chef.

Se você começou a ter espasmos e a suar frio, fique tranquilo, retro addicted. O lançamento dos novos produtos da família Retrô acontecem em março!

Preto que te quero preto

O Henrique falou em seu último post (http://www.assimumabrastemp.com.br/2010/10/preto-no-prato/) que sair do óbvio na cozinha não é muito fácil, mas é possível. Daí a gente pensou: além da culinária, de que outras maneiras podemos transformar a nossa  cozinha em um laboratório de inventividade e inspiração? A resposta está na decoração!

O Decoração Blog ensinou que é possível usar latas para expor com charme as escumadeiras e conchas, confira aqui (http://www.decoracaoblog.com.br/2010/10/07/lata-em-casa/). O Arthur também nos lembrou no mês passado que a cozinha hoje é um local de entretenimento e convívio social, aqui (http://www.assimumabrastemp.com.br/2010/09/cozinha-na-sala/).

A Brastemp, apaixonada confessa por esse cômodo de onde saem pratos fumegantes e suculentos, trouxe a linha All Black para tornar a sua rotina mais…preta. Preta? Antes de completar a frase você já pensava em colorida? Veja bem, a gente adora uma cozinha branquinha, clean, aquela cibernética, com tudo prata e também as retrozinhas, com o colorido que você esperava na última frase. Mas olha só, quem escolhe uma geladeira preta, não está só optando por uma cor. Está mostrando que tem personalidade, é antenado e, principalmente, que ama design. E a modernidade não fica só na cor! A geladeira em cima com freezer embaixo traz ao alcance da mão o que você mais usa, além de funcionalidades como bar expert, gelo fácil, timer, teclas pré-programadas, etc. Agora que você já sabe como utilizar o arroz preto, corre pro seu fogão preto e surpreenda os sentidos! Faz bem pra alma, né Henrique?

Preto no prato

Inserir novidades na rotina sempre faz bem e inspira. Que tal sair do óbvio na sua lista de compras do supermercado? Tem um ingrediente que gosto muito de usar e apesar de estar começando a ficar famoso entre os cozinheiros, ainda é um alimento incomum na mesa dos brasileiros. Mas ele merece um lugar na sua dispensa porque é muito nutritivo, saboroso e versátil e, a melhor parte, é produzido no Brasil.

O arroz negro tem mais proteínas e menos caloria que o arroz integral e pode ser usado de várias formas na cozinha. No meu caso faço como acompanhamento para o atum semi-cru porque ele fica muito bom combinado com peixes e frutos do mar, mas pode também compor uma salada ou risoto de grãos.

O modo de preparo pode ser o mesmo para qualquer receita que você fizer com ele. A técnica é importante como em todos os processos de cozimento, para não ficar duro ou empapado. O bom é aquele que fica al dente.

Desde que descobri a família Ruzene, pequenos produtores de Pindamonhangaba, me apaixonei pelo arroz negro. Muitas pessoas acham que o arroz é feito com a tinta de lula, mas ele é naturalmente preto.

Sair do óbvio na cozinha não é muito fácil, mas é possível e faz bem pra alma. Tente essa receita prática para fazer em casa. Introduza cores novas e inesperadas nos alimentos e na sua vida!

Ingredientes

1kg de arroz negro

1 cebola roxa

1 dente de alho

100 ml Óleo de Canola

Modo de Preparo

Refogue o alho e a cebola.  Acrescente o arroz e cubra com água na panela de pressão. Cozinhe por 8 minutos na pressão. Tempere a gosto.

. . . . . . .

Já pensou em olhar mais para o céu? Acesse aqui (http://www.youtube.com/watch?v=niYDLivMXZ0).

Cozinha na Sala

Lembro-me claramente quando o homem chegou à lua… era bem criança, a saber… e no futuro próximo, Marte, Júpiter, ocupar Saturno e se alimentar com pílulas sabor lasanha ou estrogonofe. O futuro chegou, nada aconteceu e o homem surpreendeu as previsões novamente.

Nos anos 80 a geração yuppie possuía minúsculas e equipadas cozinhas que mais pareciam aquelas que vemos nos aviões. Quem não se lembra de “9 ½ semanas de amor” dos filmes de Peter Greenway ambientadas por Andree Puttman? Havia urgência na vida e o tempo originalmente dedicado a preparar as refeições era usado para trabalhar e consumir. O século XXI chegou, o mundo não acabou, o famoso e monstruoso computador HAL de “2001 uma odisséia no espaço” virou IPAD e, quem diria, é na cozinha que o homem moderno busca diversão.

Tenho acompanhado e admirado bem de perto essas transformações. Cada vez mais homens e mulheres bem sucedidos profissionalmente, ocupados até a tampa, encontram na elementar arte de preparar as refeições o merecido e inspirador lazer. Hoje a cozinha é para entretenimento, para reunir a família e amigos, nada muito diferente do que nos velhos tempos, não fosse o cozinheiro ser o dono da casa.

Como resultado os eletrodomésticos estão cada vez mais sofisticados e belos, visto que a sala é uma extensão da cozinha, ou a cozinha é uma extensão da sala. Quem recebe também cozinha e é o protagonista. O “chef” e não quer ficar isolado na outrora longínqua cozinha. Mais do que isso, quer que os comensais reconheçam seu bom gosto e conhecimento técnico na escolha dos eletrodomésticos, talheres e caçarolas, além de, é claro, aplaudi-lo no final da refeição.

Mesmo que tudo isso sugira modismo passageiro, há uma questão irreversível; a cozinheira outrora presente na infância e nos lares das classes A e B virou ingrediente raro. Os alimentos pré-preparados, congelados, deram lugar aos orgânicos, frescos e saudáveis e isso não me parece modismo.

Vamos conviver cada vez mais com as cozinhas nas nossas salas, coisa muito comum nos países da Europa e EUA. Sinal dos tempos e da transformação da nossa sociedade. Que tal??