Comida caseira em Paris

Qualquer motivo é bom para visitar Paris. É a cidade mais bonita desse planeta e um dos lugares onde melhor se come. Paris é cheia de restaurantes pomposos e não há lugar no mundo onde se consegue torrar mais grana para um jantar. No entanto, tudo o que eu mais curto na “Cidade Luz” são os restaurantes pequenos, algumas vezes até familiares, que servem comida boa, simples e com ótimos preços.

O meu bom motivo para estar aqui essa semana é a maratona de Paris, que aconteceu nesse domingo dia 15. Corri pela primeira vez 42 km em um só dia, e pra isso precisava estar bem alimentado.

Comecei minha jornada com um jantar em um dos meus preferidos, o Café Constant, um bistrozinho no 7eme Arrondissement, bem atrás da Torre Eiffel, que serve clássicos franceses bem feitos. Cristian Constant, o chef, foi o precursor em Paris de uma onda de restaurantes bons e baratos que ficou conhecida como bistronomia, uma referencia aos bistrots que são restaurantes tradicionais de bairro. Por lá, comi uma bela terrine de porco e foie gras  e um belo pato com batatas (da foto), tudo simples e bom pra caramba.

Pato com batatas do Café Constant

Um outro ótimo jantar iria acontecer no dia seguinte, dessa vez no Chez l’ ami Jean, um restaurante totalmente despretensioso também no bairro 7. O clima é de cantina, mesas grudadas umas nas outras, garçons correndo pra todo  lado e um monte de gente falando ao mesmo tempo. A comida é uma mistura de cozinha da vovó francesa com toques de modernidade, comi um menu degustação excelente, com direito a uma sopa de legumes e parmesão, um carpaccio de miolo de vitela, lulas com espuma de cogumelos e um filet mignon saboroso em duas versões: tartare e grelhado. Para fechar, um clássico arroz doce.

Filet mignon em duas versões: tartare e grelhado, do Chez l’ami Jean

Riz au Lait (arroz doce), do Chez l’ami Jean

Esse é o tipo de comida te abraça e dá conforto, é cozinha que preenche a pança e o coração. Continuo minha viagem por aqui, e semana que vem apresento mais dois restaurantes bacanas de Paris, dessa vez com uma pegada mais moderna.

Au revoir….

Café Constant

139, rue Saint Dominique. 75007 Paris metro: Ecole Militaire

Chez l’ami Jean (http://www.amijean.eu/)

27, rue Malar 75007 Paris metro: Invalides

Simples assim!

Na atual circunstância de esgotamento dos recursos naturais, o minimalismo me parece uma forte tendência e, mesmo levando em conta a sua máxima discrição, não poderia deixar esse estilo passar despercebido. Afinal, não conheço forma de expressão e estilo melhor para contrariar o supérfluo e, consequentemente, o desperdício e todo e qualquer tipo de esbanjamento.

Na atual circunstância de esgotamento dos recursos naturais, o minimalismo me parece uma forte tendência e, mesmo levando em conta a sua máxima discrição, não poderia deixar esse estilo passar despercebido. Afinal, não conheço forma de expressão e estilo melhor para contrariar o supérfluo e, consequentemente, o desperdício e todo e qualquer tipo de esbanjamento.

Diz-se que o estilo minimalista surgiu no período difícil pós-Segunda Guerra Mundial, quando muitas pessoas perderam tudo ou quase tudo e tiveram de aprender a viver com menos. É possível encontrar as diversas raízes do minimalismo, tanto no desenho como na arquitetura. Ele não tem um estilo definido, mas uma estética que recebe influência de todos os tipos.

A meu ver, a maior influência na concepção dos ambientes minimalistas é a oriental. Melhor ainda se pensarmos mais precisamente no Japão, já que se trata de uma estética básica e próxima à filosofia zen budista que associa a combinação de formas platônicas, ênfase das qualidades materiais, sutileza de proporções e simbolismo expressivo, priorizando apenas o indispensável.

Aqui no Brasil, passamos a ter um contato mais próximo com o movimento na década de 80, onde suas características prevaleciam em objetos, fachadas e ambientes. A ideia principal do movimento é manter um cômodo com o mínimo de móveis e objetos possíveis: montar sempre composições limpas e funcionais. E se você está aí achando que o negócio é fácil se engana, o mais difícil, e ao mesmo tempo mais interessante no minimalismo, é a devida proporção.

Para montar uma composição minimalista, é preciso prestar atenção em todos os detalhes e evitar os excessos: poucos móveis, superfícies lisas, qualidade em vez de quantidade, redução formal em peças de decoração, poucos mas importantes objetos, nada acima dos móveis, cortinas discretas nas janelas, armários com porta, cores sóbrias e, em alguns casos, ausência de cores e equilíbrio entre as peças e os espaços vazios.

Partindo do princípio que o espaço deverá conter apenas elementos de grande relevância, lembre-se: Mais vale uma peça bacana, com forte apelo visual, do que várias pequenas espalhadas pelo ambiente. A premissa é de que menos é mais, e as imagens inspiradoras selecionadas aqui são determinantes para que o ambiente minimalista criado por você tenha elevado valor funcional e estético. Seja desprendido e generoso na hora de criar e boa sorte!

Preconceito 2.0

Uma das maiores babaquices da internet é esse papo de “Orkutização”.

O Orkut, bem antes do Facebook, foi a mais importante rede social do Brasil. Alguns dizem que ainda é.

E também foi no Orkut que a grande inclusão digital que aconteceu no nosso país nos últimos anos ficou mais evidente.

A Internet, que antes era exclusiva das classes médias e altas da população, atingiu toda a base da pirâmide, e de uma hora para outra, o que fisicamente era raro, virtualmente aconteceu: todas as classes sociais se encontraram num mesmo espaço.

E daí, todas as diferenças culturais que existiam entre as classes sociais, divididas por um fosso de má distribuição de renda, ficaram evidentes. E junto com isso, todo tipo de preconceito também foi parar na superfície da rede.

E a maior das oportunidades de haver uma verdadeira integração social foi para o espaço, junto com o Orkut.

E daí, qualquer demonstração mais popular nas redes sociais, e qualquer ameaça de popularização ou ampliação de uma rede social, é prontamente taxada de orkutização por aqueles que se acham melhores do que os outros por ter um iPhone.

Isso aconteceu recentemente com o Instagram. Com o lançamento do aplicativo para Android, e com a posterior compra da plataforma pelo Facebook, uma turma da elite do iPhone começou a bradar em comentários, posts e tweets pela rede. Grande babaquice.

Vamos aproveitar a integração geral que as redes sociais nos oferecem para aprender com as diferenças, encontrar semelhanças e nos inspirar para nos tornamos pessoas melhores.

É essa a oportunidade que a chamada orkutização das redes sociais nos oferece, e não podemos perdê-la.

Boa semana a todos!

O que importa…

O mundo anda meio chato, cheio de pudores e mau humor, as pessoas parecem se levar mais a sério do que o normal. A cada dia surgem mais leis proibindo isso ou aquilo, na gastronomia sobram especialistas de todas as áreas: os comilões são gourmets, bebedores “sommeliers” e qualquer cozinheiro se autodenomina chef master super internacional.

Tem também os movimentos e bandeiras gastronômicas que se espalham por aí, é a nova cozinha brasileira pra lá, chefs ecologistas pra cá…  Surgem novos engajamentos todo dia, como o  locavorismo, aquele em que o cozinheiro só pode trabalhar com ingredientes produzidos a no máximo x km de distância do restaurante. O “x” varia, pode ser 300 km por exemplo, a ideia é utilizar produtos frescos e poupar combustível da distribuição.

Tudo muito bacana se não fosse celebrar o óbvio. Utilizar produtos frescos, preocupar-se com a sustentabilidade e com o impacto das ações no meio ambiente e na sociedade não é mais virtude de um chef, muito menos precisa ser um movimento organizado. É o mínimo que se espera de qualquer profissional sério atualmente, é como se um médico fosse festejado por nunca ter matado nenhum paciente.  Dá pra entender?

Escrevo esse post para lembrar vocês e até para me lembrar que comida não pode ser levada sempre tão a sério. O prazer, depois da nutrição, é claro, é o que nos leva a comer.

Quando escolhi trabalhar como cozinheiro foi por um motivo simples, queria fazer comida gostosa e tornar as pessoas felizes. Não estava preocupado em passar mensagens, exibir minha técnica ou habilidades. O cozinheiro acima de qualquer coisa tem que ser um cara generoso, e no fundo, mesmo que pareça meio louco o que vou dizer, a única coisa que importa é comer e ser feliz.

Estilo clássico: use e abuse…

Se você nunca parou para pensar na quantidade de detalhes necessários para configurar o real estilo clássico, esta é uma ótima oportunidade. Tente visualizar: molduras de gesso, luminária pendente, lustre de cristal, porta almofadada, cadeira do tipo medalhão, espelho com moldura trabalhada, papel de parede, poltronas de época, estante de livros, obras de arte, tapete oriental, painéis de madeira, vasos ornamentais, mobília de madeira nobre, acabamento de mármore, mesa de apoio, pés trabalhados, cortinados longos, padrões adamascados, porcelana, prata, candelabros, bustos, e mais uma série deles, que não enumerei aqui.

Por esse estilo nunca ter caído de moda, há quem o considere facilmente reconhecível. Mas a bem da verdade, para ficar elegante, o autêntico estilo clássico, que tem a sua origem na arquitetura grega e romana, precisa, além de espaços amplos e altos para comportar o mobiliário antigo, objetos de decoração igualmente imponentes. Exige dinheiro, muito dinheiro, e se você não pretende investir muito, mas aprecia o estilo, continue atentando aos detalhes. Pois esse conhecimento pode ser imprescindível para entrar num outro estilo, o neoclássico, apenas dando ares clássicos à decoração que, possivelmente, você já tem.

A ideia é mesclar móveis de linhas clássicas com materiais contemporâneos, e esse mix é o que há de mais atual. Além de suavizar a atmosfera formal, essa opção atualiza o estilo clássico na decoração. Uma sala com peças novas de design moderno, por exemplo, alcança glamour com peças clássicas pontuadas no ambiente. Quem acompanha os meus trabalhos pode já ter notado que gosto muito de compor peças atuais com peças antigas de épocas diversas. E, dentre essas peças, lanço mão muitas vezes do clássico por considerar que esse estilo traz identidade e sofisticação a qualquer ambiente, principalmente num espaço mais clean, onde prevaleça o branco, o creme, o cru, o bege ou até mesmo diferentes tonalidades de castanho.

Agora convenhamos, é impossível deixar passar despercebido o estilo clássico revisitado e, para isso, basta um clássico ou outro que esteja num canto empilhado da casa, e de uma dose, mesmo que mínima, de criatividade e ousadia. Depois e só investir em padrões  fortes e nas cores berrantes na hora de laquear a madeira desgastada, revestir as almofadas e cobrir toda a parede. Não seja modesto na hora de unir os diferentes estilos e cores no mesmo ambiente, até porque quando se trata desse estilo, economia, seja no âmbito que for, não tem vez. Espero que possam se inspirar nas minhas sugestões, e quem sabe, em breve, eu possa me inspirar no bom gosto e criatividade de vocês…

Para lindas fotografias, basta inspiração

Nós adoramos a fotografia! Afinal, ela é uma fonte constante de inspiração, beleza e poesia em imagens. Já mostramos aqui alguns incríveis exemplos de como a fotografia pode nos surpreender e trazer novos olhares e significados, como no trabalho do jovem Caleb, que vê o mundo através de bolinhas de gude (http://www.assimumabrastemp.com.br/2012/03/a-vida-numa-bolinha-de-gude/), e a série Hungry Planet (http://www.assimumabrastemp.com.br/2012/01/voce-e-o-que-voce-come/), dos fotógrafos Peter Menzel e Faith Aluizio.

Foto da série “A Vida numa Bolinha de Gude”, de Caleb Tenenbaum

Caleb, por exemplo, não tinha nenhuma experiência em fotografia e fez imagens criativas e belíssimas. E agora descobrimos e compartilhamos com vocês o trabalho de outra fotógrafa americana com uma história de vida inspiradora. Amy Hildebrand é mais velha, e fez graduação em fotografia na faculdade, mas teve que superar um enorme obstáculo para chegar às lindas fotos que vemos aqui: ela nasceu praticamente cega devido ao albinismo, uma doença genética.

Amy passou por diversos tratamentos na infância e adolescência e conseguiu recuperar cerca de 20% da visão. Hoje, consegue enxergar cores, formas e sombras. Mas sua sensibilidade aguçadíssima não depende da visão acurada, como você pode ver pelas imagens carregadas de poesia e sentimento, com um uso muito especial da luz, que a fotógrafa reúne no seu blog, With Little Sound (http://withlittlesound.blogspot.co.uk/).

Ela criou o blog há quase três anos, com o compromisso de registrar e postar uma foto por dia, até chegar a mil imagens, e está se aproximando do objetivo, já no número 931!  Uma vez por mês ela escreve um texto, refletindo sobre sua vida. Num deles, diz: “Eu quero me refletir como uma só pessoa; alguém que vai crescer, ter filhos, envelhecer e morrer. Nem todos os meus dias serão bons, nem todas as minhas fotos serão boas, mas elas irão me refletir”.

Muito inspirador, não? Há tanta beleza no mundo, e nós que temos uma visão normal às vezes nos esquecemos de ver, mas Amy nos mostra que apreciar as inspirações à nossa volta só requer sensibilidade. E isso ela tem de sobra! Inspire-se com essas lindas imagens e as quase mil do seu blog, pois a inspiração muda tundo, e a vida fica assiiim… uma Brastemp! =)

As inspirações das cores na gastronomia

Nós adoramos todas as cores! E quem não gosta? Quanto mais colorido, mais o mundo fica alegre e inspirador. O João Armentano, outro apaixonado pelas cores, vive dando dicas (http://www.assimumabrastemp.com.br/2011/06/casa-vestida/) e mais dicas (http://www.assimumabrastemp.com.br/2011/09/era-uma-casa-muito-engracada/) de como deixar sua casa mais viva e alegre usando e abusando das cores, em estampas, na cozinha e nos móveis, paredes, tapetes (http://www.assimumabrastemp.com.br/2012/02/moro-num-pais-tropical/)….

A Brastemp inova o cenário dos eletrodomésticos, hoje dominado pelo branco e o inox, resgatando cores fortes, como o vermelho, amarelo e preto, em sua família Retrô (http://www.assimumabrastemp.com.br/2011/01/familia-retro/) e na linha All Black (http://www.assimumabrastemp.com.br/2010/11/preto-que-te-quero-preto/), para deixar nosso dia a dia mais colorido.

Fonte

Na culinária também quanto mais cores, melhor. Além de deixar o aspecto de um prato mais bonito, as cores dos ingredientes indicam seus benefícios para a saúde. Os alimentos vermelhos, como tomate, caqui e frutas vermelhas, tem licopeno, um antioxidante que pode prevenir certos tipos de câncer. Os de cor laranja ou amarelo (cenoura, abóbora, mamão) tem beta-caroteno, também antioxidante, além da vitamina B-3. Os azul-arroxeados, como as uvas, ameixa e beterraba, possuem ácido elágico, que retarda o envelhecimento. A clorofila das folhas verdes, como agrião, rúcula e couve, tem ação antibacteriana e ajuda a retirar toxinas do organismo.

Fonte

Todo designer e quem trabalha na indústria gráfica conhece a Escala de Cores Pantone (http://design.blog.br/design-grafico/o-que-e-pantone). Com um código que indica a mistura entre as cores básicas CMYK (Ciano, Magenta, Amarelo e Preto), a escala Pantone permite criar milhares de cores e tons para impressão. E foi a inspiração para a diretora de arte francesa Emilie de Griottes, apaixonada por cores e pela gastronomia, que produz o blog Griottes (http://www.griottes.fr/), em sua série “paletas culinárias”, criada para a revista francesa de gastronomia Fricotes.

Fonte

São tortinhas feitas com frutas ou outros alimentos, cada uma representando uma cor da paleta Pantone, identificada na base de massa da torta, com corante alimentício sobre a crosta de açúcar de confeiteiro. Cereja, tomate, limão, cenoura, banana, emprestam suas cores características para essas criações de comer com os olhos. E passeando pelo blog de Emilie, você vai achar um monte de fotos lindas de criações culinárias que abusam das cores e formas.

Fonte

Muito bacana, não acham? Agora que estamos entrando no outono, estação que traz novos tons e matizes, que tal prestar mais atenção às cores em nossa volta? Um mundo mais colorido nos inspira e deixa a vida assiiim… uma Brastemp!

Com design inspirador e divertido, sapatos se transformam

Já falamos muito por aqui como o design e suas inspirações podem transformar para melhor todo tipo de coisa. O design não só facilita nossa vida (http://www.assimumabrastemp.com.br/2011/12/como-o-design-facilita-nossa-vida/) como a deixa mais cheia de beleza, elegância, inspiração e bom humor, não é mesmo? Com um design criativo, objetos comuns podem extrapolar sua função e transbordar inspirações. Sapatos, por exemplo.

Nós sabemos que não há mulher (e muitos homens também!) que resista a um belo par de sapatos, e já falamos sobre uma ação social inspiradora (http://www.assimumabrastemp.com.br/2011/12/descalco-nao-se-vai-longe/) baseada no universo dos calçados  (). Sapatos são objetos tão corriqueiros do nosso dia a dia que nem paramos para pensar no seu design. Mas dentro deste universo, a criatividade do designer é o limite. Por isso nos surpreendemos ao ver como a mente criativa pode inspirar e transformar um simples par de sapatos, que usamos para nos movimentar, em verdadeiras obras de arte, com o trabalho do designer de sapatos israelense Kobi Levi (http://kobilevidesign.blogspot.com.br/).

Ele já trabalhou para empresas da Itália, China e Brasil criando sapatos comerciais e convencionais. Mas é seu trabalho autoral e impregnado de bom humor e criatividade que vamos mostrar para vocês. Levi transforma sapatos em pequenas obras de arte, se inspirando nas mais diversas formas e cores.

Sim, os sapatos do designer israelense mais parecem esculturas, mas podem ser usados nos pés normalmente. “No meu design artístico de calçados, o sapato é minha tela. O gatilho para criar uma nova peça vem quando uma ideia, conceito ou imagem me vem à mente. A combinação da imagem e do calçado cria um novo híbrido e o design/conceito ganha vida“, explica Levi.

Muito bacana, não? Vocês podem ver toda a linha de sapatos de Levi no seu blog (http://kobilevidesign.blogspot.com.br/) e no Facebook (http://www.facebook.com/KobiLeviFootwear), e se quiser comprar algum deles pode entrar em contato através do e-mail (contact@kobilevidesign.com). Arte, beleza, humor… Tudo isso transforma coisas comuns do nosso dia a dia, como sapatos, em fonte de inspiração, e deixa nossa vida assiiim… uma Brastemp!

Arte nos bueiros!

Há alguns meses fizemos um post sobre Street Art (http://www.assimumabrastemp.com.br/2011/11/street-art-inspiracao-para-o-dia-a-dia/), mostrando trabalhos inspiradores de artistas de rua que deixam o nosso dia a dia mais colorido. O post foi bastante “curtido”, mostrando que nossos leitores se identificam com a arte de rua, e por isso fomos atrás de outros exemplos legais da street art!

E encontramos no blog Criatives o incrível trabalho da dupla 6emeia (http://www.criatives.com.br/2012/02/artes-em-bueiros-de-rua-por-6emeia/), que transforma por meio da arte os bueiros, postes e outros elementos das ruas em divertidas imagens nas quais essas peças do mobiliário urbano ganham vida.

O 6meia (http://www.6emeia.com/)é formado pelos artistas Anderson Augusto, o SÃO, e Leonardo Delafuente, conhecido como Delafuente. Moradores da Barra Funda, antiga zona industrial de São Paulo que hoje é o reduto de novos artistas, eles têm uma obra marcada pela relação com a cidade, deixando mais colorida e lúdica a paisagem urbana.

A popularidade da arte urbana mostra que nós que vivemos nas grandes cidades ansiamos por um cotidiano com mais arte, cor, vida e inspiração, que transformam a rotina entediante em fonte de alegria e arte. Inspire-se!

Moro num país tropical!

Não que eu tenha me dado conta disso só no Carnaval, mas essa data festiva aparece todo ano para me lembrar do quanto o Brasil é bonito por natureza. Nesse Carnaval em especial eu fiquei atento às ruas, as avenidas e aos blocos, e as cores alegres e divertidas só me encheram de energia.

Por outro lado, essa energia toda só aguçou a minha hiperatividade. Passei os quatro dias de Carnaval com as mais variadas cores pulando diante dos meus olhos e, antes que toda essa combinação caísse no samba do crioulo doido, resolvi me inspirar e organizar antes de levar essa energia toda para dentro de casa:

Já que o amarelo inunda a casa de luz e estimula a criatividade, o reservei para os espaços escuros, pois potencializa a luz natural.

Aprendi que o forte do laranja é ser fonte de energia, que personaliza cada canto. O vermelho, envolvente, mostra personalidade. Enquanto os verdes claros têm um tom mais atrevido, os escuros se revelam mais sofisticados. O azul, relaxante e tranquilo, ajuda a conciliar o sono. O lilás e o rosa dão um toque ingênuo e casam muito bem com o branco. Já o branco, além de transmitir paz, multiplica a luz e o espaço. O creme e bege passam serenidade e realçam a decoração. Tons terra são muito quentes e ajudam a criar um ambiente natural. O preto é a ausência de cor, então, o ideal aqui, é que ele seja utilizado apenas como recurso para realçar outras cores.

O ser humano é sensível e reage às cores de várias maneiras. Eu tenho a minha em especial, que ao longo desses meses vocês já devem ter conhecido, mas resolvi arriscar e ousar.

Quem quiser me acompanhar fique à vontade, basta estudar a sua paleta de cores e dar o primeiro passo para analisar os tons que mais se aproximam do objetivo do seu projeto.

Quem já possui peças coloridas pode ter o espaço todo pintado de branco, revestir o sofá com uma capa branca e ter, nos detalhes, as cores. Mas para quem já tem peças maiores, como por exemplo, sofás ou estantes em tons neutros, poderia então ousar na cor das paredes e também do teto. Por que não?

Se a coragem de ousar aumentar, abuse e deixe absolutamente tudo colorido, desde as peças maiores até os detalhes. Não se esqueça de que cada cor traz uma energia especifica para cada ambiente, então entre no ritmo, use a sua sensibilidade para percebê-las em cada detalhe.

Renovar as cores de um ambiente nos traz sensação de novidade, liberdade e até, certa dose de ousadia. Veja que beleza se deixar levar pela alegria: