Planetário Mundo Estelar

Existem pessoas que são fascinadas por estrelas, cometas, a história do Universo. Se você é uma delas, que tal observar as principais constelações do hemisfério Sul, as estrelas e suas magnitudes, a Via Láctea, aglomerados, todos os corpos celestes (planetas, satélites, asteróides, meteoros)?

O Planetário Mundo Estelar (no bairro do Ipiranga) é o único em funcionamento em São Paulo e oferece uma programação diferenciada para cada faixa etária e uma exposição permanente (monitorada) com os temas Explorando Marte e Brasil na Corrida Espacial. Para tanto, contamos com uma sala de apresentações com capacidade para 224 espectadores, que possui um céu artificial, uma maquete dinâmica do Sistema Solar, projetores multimídia e vários outros efeitos especiais. Nesta sala são apresentadas programações diferentes para as diversas faixas etárias atendidas pelo Planetário.

Além da sala de apresentações há uma sala de exposição com 300 m² onde estão localizados muitos painéis e maquetes. Há monitores especialmente treinados para levar os alunos a conhecerem fatos e curiosidades sobre vários ramos da astronomia. Há também o Planetário KIDS, para atender à educação infantil. Com um espaço especial de 250 m², nele são desenvolvidas várias atividades recreativas e educacionais focadas na astronomia.

Programação

Sessão Infantil / Planetário Kids

Sábados, Domingos e Feriados, a partir das 14h.

Destina-se a crianças de 2 a 10 anos, e tem como objetivo introduzir conteúdos básicos de astronomia de forma lúdica e interativa, através dos recursos técnicos do planetário e de um espetáculo teatral de linguagem fácil e adequada à faixa etária. São 3 horas de brincadeiras, sessão, construção e lançamento de foguetes.

Exposição

As grandes conquistas da humanidade

Cronologia da conquista espacial

O Programa espacial brasileiro

Os benefícios da conquista espacial

A Exploração de Marte   Sessão Juvenil

Sábados, Domingos e Feriados às 17h.

Destina-se a adolescentes e público adulto e tem como objetivo despertar o interesse e possibilitar o contato com a astronomia.

Ingressos:

Crianças – R$ 17,00

Adultos – R$ 12,00

Endereço:

R. Huet Bacelar, 407 – Ipiranga – São Paulo

Tel: (11) 273.5500

fonte: aomestrecomcarinho.com.br

Palestras no Museu do Ipiranga narram a história de São Paulo

O Museu Paulista da USP, mais conhecido como Museu do Ipiranga, realiza entre os dias 19 e 28 de janeiro o ciclo de palestras “São Paulo Conta sua História”, para narrar a evolução da cidade desde sua fundação. O evento encerra as comemorações dos festejos dos 450 anos da cidade.

As palestras envolvem temas que tratam São Paulo passando por sua época de vila até os tempos em que se transformou numa das maiores metrópoles do mundo. O povoamento, os movimentos sertanistas, as canções, o cotidiano, tudo será ministrado por especialistas que estudam a evolução do modo de viver na cidade. A coordenação é da professora Eni de Mesquita Samara, historiadora e diretora do Museu Paulista.

As vagas são limitadas, e as inscrições estão abertas. Para se inscrever, o interessado pode ligar para os telefones (11)6165.8006/8022 e (11)273.4390, ou enviar um e-mail para acadmp@usp.br, indicando nome, endereço, profissão, telefone, RG e como soube do evento.

Confira o Programa (todos os dias das 14h às 16h)

19 de janeiro

Esmeralda Blanco Bolsonaro de Moura – FFLCH/USP / Diretora do CEDHAL – USP

“São Paulo: tempos, vivências e imagens”.

20 de janeiro

Rafael Ruiz González – FAAP – Doutor em História- FFLCH/USP

“Os começos da vila de São Paulo: a construção de uma história comum multinacional”

21de janeiro

Madalena Marques Dias – Doutoranda- FFLCH/USP

“Arraial de Sertanistas”.

22 de janeiro

Denise A. Soares de Moura – UNESP/Franca – Doutor em História – FFLCH/USP

“São Paulo entre o período joanino e o Império: o núcleo urbano e sua gente”.

24 de janeiro

Eni de Mesquita Samara – Diretora do Museu Paulista/USP – Professor Titular – FFLCH/USP

“São Paulo no tempo da maquete”.

26 de janeiro

Anna Gicelle G. Alaniz – Faculdade de Americana-SP – Doutor em História- FFLCH/USP

“Escravidão e liberdade em São Paulo”.

27 de janeiro

José Adriano Fenerick -UNESP/Araraquara- Doutor em História – FFLCH/USP

“A cidade na música: São Paulo em cantos e versos”.

28 de janeiro

Paulo de Assunção – Pró-Reitor Acadêmico/UNIFAI-SP – Doutor em História- FFLCH/USP

“São Paulo imperial: uma cidade em transformação”.

Fonte: www.usp.br – Diego Mattoso / USP Online

fonte: aomestrecomcarinho.com.br

O Adolescente e as Drogas no Século XXI – Seminário em 19/11

A idade de início tem se reduzido e a freqüência do consumo de bebidas alcoólicas tem aumentado entre os adolescentes brasileiros nas últimas duas décadas. Esses dados, que também são verificados para tabaco, inalantes e maconha, são constatados tanto em pesquisas epidemiológicas como no cotidiano das escolas e em centros de tratamento.

Como está a saúde mental do adolescente no Brasil? Como tratar as comorbidades (transtornos psiquiátricos que acontecem paralelamente ao abuso de drogas)? Qual o papel da mídia e possíveis influências na questão da adolescência e drogas? Como localizar a violência dentro do uso de drogas do adolescente brasileiro? Que dados justificam a existência de ambulatórios específicos para o tratamento do adolescente dependente?

Para discutir aspectos associados e caminhos a seguir, a UNIAD convidou a renomada pesquisadora americana Paula Riggs (Universidade de Colorado, Coordenadora do comitê de abuso de substâncias por adolescentes), além de alguns dos maiores especialistas brasileiros em adolescência (Ronaldo Laranjeira, Paulina Duarte, Ilana Pinsky, Renato Sérgio de Lima, Bacy Fleitlich-Bilyk, Marco Bessa) para participarem de um seminário no dia 19 de novembro. Esse seminário, O Adolescente e as Drogas no século XXI, comemora os 10 anos de existência da UNIAD (Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas) – UNIFESP.

O evento ocorrerá na UNIFESP no dia 19 de novembro e é apoiado pela SENAD (Secretaria Nacional Anti-Drogas), pelo Consulado dos EUA e pela ABEAD (Associação Brasileira de Estudos sobre Álcool e outras Drogas).

Informações e inscrições pelo telefone: (11) 5571.0493 ou e-mail: cursos@uniad.org.br.

As inscrições custam R$80,00 mais um quilo de alimento não-perecível. Os inscritos receberão uma cópia do livro “Adolescência e Drogas”, editado pela Editora Contexto.

fonte: aomestrecomcarinho.com.br

Museu das Invenções

Você sabia que 4 de novembro é o Dia do Inventor? Não?! Então aproveite a data para visitar o Museu das Invenções, onde bizarrices dividem espaço com idéias úteis, práticas ou simplesmente geniais.

Afinal, o que seria de nossas vidas sem os inventos de Thomas Edison, Graham Bell, Santos Dumont, entre outros inventores que, utilizando muita criatividade, imaginação e dedicando muito de seu tempo, trouxeram benefícios eternos para a sociedade? O mérito deles é inegável e a necessidade de prestígio também. Assim como eles, milhares de pessoas continuam inventando diversos produtos, alguns como simples divertimento e outros de maneira bastante séria.

No Museu você pode conhecer novas invenções, como o projeto de reutilização de água, o ralo dosador, a roupa propaganda ambulante, a embalagem para fechamento de bolachas, a bike canguru, entre outras curiosidades. Dar risadas e fazer cara de espanto são as atitudes mais comuns das pessoas que visitam o local.

E já dizia Albert Einstein: “A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original”.

O Museu das Invenções funciona de segunda a sexta-feira, das 9h30 às 18h30. O ingresso custa R$ 8,00. Para agendamento de escolas, entre em contato com o telefone abaixo.

Museu das Invenções

Rua Doutor Homem de Mello, 1109 – Perdizes – São Paulo

Telefone: (11) 3873.3211

fonte: aomestrecomcarinho.com.br

Museu da Casa Brasileira oferece visitas monitoradas e atividades para estudantes e curso de capacitação para professores

O Museu da Casa Brasileira (MCB), único do país especializado em design e arquitetura, com localização privilegiada na av. Faria Lima quase esquina com av. Cidade Jardim, iniciou um programa dirigido para crianças em idade escolar.

Vinculado à Secretaria de Estado da Cultura, o MCB está instalado em uma mansão em estilo neoclássico, que reproduz as linhas do Palácio Imperial de Petrópolis. Foi construída entre 1942 e 1945 para ser a residência do ex-prefeito de São Paulo (1934-1937), Fábio da Silva Prado e sua esposa Renata Crespi Prado.

Monitores acompanham os grupos de alunos pelos espaços expositivos, dando informações sobre cada uma das peças ou objetos, enriquecendo a visita. Há atividades para que as crianças possam assimilar o conteúdo apresentado nas exposições de uma maneira acessível e participativa, de acordo com a faixa etária da turma. As atividades são criadas e desenvolvidas pelos monitores.

Privilegiado pelo jardim de 6.000 metros quadros e duas centenas de árvores, o MCB pode realizar as atividades em vários espaços – no auditório, no terraço ou no próprio jardim.

Exposição permanente

O Móvel da Casa Brasileira

O MCB tem um acervo permanente constituído sobretudo de móveis, representativos da evolução do mobiliário no Brasil desde o século 17 até a metade do século 20. Há também objetos utilitários, como os utensílios em cobre vindos do ateliê do pintor Pedro Alexandrino. Um dos destaques é o móvel de múltiplas utilidades criado por um circense, que intriga e instiga a imaginação dos estudantes.

Atividades:

Montando minha casa

Atividade de colagem e pintura relacionada ao conteúdo observado, com o objetivo de estimular a criatividade e desenvolver o espírito de coletividade nas crianças.

Faixa etária: 4 a 11 anos

Nossas flores na paisagem

As crianças, utilizando material fornecido pelas monitoras, como giz de cera, cola, dentre outros, criam flores, que irão compor uma montagem multicolorida. A atividade estimula a criatividade e a importância do trabalho em grupo.

Faixa etária: 4 a 9 anos

Onde está a árvore?

Uma brincadeira relacionada diretamente às fotografias expostas estimula as crianças a observar e a pesquisar em grupo, notando, assim, as diversas texturas e cores possíveis das madeiras, percebendo folhas e frutos e demais características da exposição. Através da competição sugerida é introduzida a importância de preservar e respeitar a natureza.

Faixa etária: 7 a 14 anos

Árvore no Papel

Nessa atividade os monitores cedem um perfil em papel para que as crianças possam, utilizando outros materiais, também cedidos, fazer uma composição única e criar uma nova árvore, diferente das que existem na realidade, mas tão bonita plasticamente quanto às expostas.

Faixa etária: 4 a 10 anos

Através da visita monitorada, a criança poderá perceber a importância do designer na criação dos objetos. Certamente vai entender como esse profissional pode estar interferindo na vida cotidiana de todos nós, ao lançar novos conceitos e criar, como um inventor de desenhos animados, novos objetos que irão povoar nosso mundo no futuro.

A história em cada objeto é o que os professores descobrem em curso para capacitação de visitas ao Museu da Casa Brasileira.

Através de um objeto é possível descobrir as necessidades e interesses de uma determinada época, e até mesmo a mudança de certos conceitos. A cadeira, por exemplo, nem sempre teve a função de nos fazer descansar e dar conforto. Nos seus primórdios, era símbolo de poder, de estar no mais alto degrau hierárquico.

Para mostrar que no universo do mobiliário e dos utensílios está registrada a história do cotidiano do homem, o Museu da Casa Brasileira, da secretaria de Estado da Cultura, em parceria com a Diretoria de Ensino 1, da secretaria de Estado da Educação, com o apoio do Museu Paulista (também conhecido como Museu do Ipiranga) da Universidade de São Paulo, criou um curso de formação para professores de História do ensino fundamental e médio.

O objetivo é habilitar os professores a fazer a análise histórica material de um acervo, e desta forma enriquecer a visitação de seus alunos aos museus. Ao visitar o Museu da Casa Brasileira, por exemplo, o educador terá maior facilidade em apontar para seus alunos a relação de um objeto com o habitar do homem, seus usos e costumes.

Com a presença de 26 professores, o primeiro curso foi realizado com três módulos – o primeiro e o segundo, nos dias 2 e 15 de abril, aconteceram no Museu da Casa Brasileira, e, o terceiro, no Museu Paulista.

Museu da Casa Brasileira

Av. Brigadeiro Faria Lima, 2705 – Jardim Paulistano.

Visitação de terça a domingo, das 10h às 18h.

Site www.mcb.gov.br

fonte: aomestrecomcarinho.com.br

Museu da Caixa: 12 horas diárias de História na Praça da Sé

Crianças, adolescentes e seus familiares têm uma ótima oportunidade de aprender História no Centro da cidade: é o Museu da Caixa, no prédio da Caixa Econômica Federal (Praça da Sé, 111), que funciona 12 horas diárias, de terça a domingo, de 9h às 21h, com entrada franca.

No Museu, os visitantes conhecem a história da Caixa Econômica Federal por meio de peças do mobiliário, máquinas de escrever e calcular das antigas agências, ambientes originais da época da inauguração do prédio e uma coleção de cédulas e moedas.

O espaço é composto das salas da caderneta de poupança, loteria, administração, penhor e do serviço médico, que era utilizada nos anos 40 para atender funcionários e seus familiares. Em agosto, mais um ambiente foi criado no Museu: a sala da habitação, que conta um pouco da história dos financiamentos da casa própria, realizados pela Caixa desde 1940.

Há ainda uma exposição de fotos que conta a história do Edifício Sé, além da planta do prédio e de uma linha do tempo, por meio da qual os visitantes conhecem a história da Caixa, desde sua fundação, em 1861, até os anos 70.

Fotos de personalidades da história do Brasil também ocupam o Museu: D. Pedro II, Barão de Itapetininga e o então presidente Getúlio Vargas (que compareceu à inauguração do Edifício Sé, em 1939) são apresentadas aos visitantes logo no saguão de entrada, e ainda curiosidades, como o pai de Mário de Andrade, que foi funcionário da Caixa e é homenageado em uma das salas.

Conjunto Cultural completa 15 anos

Além do Museu, o Edifício Sé abriga o Conjunto Cultural da Caixa, que completou 15 anos em agosto. Fundado em 1989, o Conjunto Cultural da Caixa ocupa hoje lugar de destaque no cenário cultural de São Paulo. São três espaços que oferecem exposições de artes plásticas e fotografia, além de outras atividades gratuitas (o Edifício Sé, a galeria da Paulista e o Vão Livre, altura do número 1842 da av. Paulista).

Ao todo, são oito galerias para exposição, por onde passaram mostras expressivas como “Referencial Anita Malfatti”, “Raízes do Povo Xavante”, “Muito Além do Real”, com obras de Salvador Dalí, Goetz e Chagall, “Adoniran Barbosa”, “Carmen Miranda” e “Caixa Populi”, Atualmente, outra grandiosa mostra ocupa as galerias do Edifício Sé: “Brasil Tupi”, que conta a história dos Tupi, um dos povos que habitaram a região onde foi fundada a cidade de São Paulo.

Ao longo desses 15 anos, o Conjunto Cultural da Caixa vem promovendo não só mostras de grande porte, como também os novos artistas plásticos e fotógrafos. Em janeiro deste ano, a inauguração de novas instalações e novo horário de funcionamento (de terça a domingo, de 9h às 21h) ampliaram as opções culturais e ajudaram a reacender a vida cultural no centro da cidade.

Com a promoção de projetos sociais como o “Museu, Escola e Família” e “Arte Bem Eficiente”, que oferecem visitas monitoradas e oficinas a estudantes, crianças e adolescentes em situação de risco, idosos e pessoas com necessidades especiais, o Conjunto Cultural da Caixa reforça ainda mais sua proposta de promover a cultura a todas as classes sociais.

Edifício Sé

Inaugurado em 1939, o Edifício Sé tornou-se um dos marcos da cidade de São Paulo. Foi inaugurado em 29 de agosto de 1939, como resultado de uma série de operações realizadas pela Caixa Econômica Federal ao longo dos anos 30 para adquirir imóveis em torno da antiga sede, que existia desde 1907 na travessa da Sé (hoje rua Venceslau Brás, onde atualmente se encontra o estacionamento da agência Sé).

A aparência do Edifício Sé reflete o espírito da arquitetura de São Paulo nos anos 30, caracterizada pela busca de uma europeização. O estilo do prédio é denominado Arte Decó. A construção é reforçada pelas imponentes colunas da entrada principal e pelo mármore que reveste as paredes do térreo. Um dos destaques do prédio é o vitral do Conjunto Cultural, concebido por Henrique Zucca.

A imponência das colunas externas é complementada pela delicadeza e sobriedade da decoração interna, com acabamentos feitos de material importado, como números e letras utilizados na sinalização das salas e maçanetas personalizadas, que vieram dos Estados Unidos, vidros, da Inglaterra e mármores da Itália; todo o revestimento em lambris é obra do Liceu de Artes e Ofícios.

Tanto o Conjunto Cultural da Caixa como o Museu da Caixa oferecem visitas monitoradas para escolas, associações de bairro, grupos de terceira idade e público em geral. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone(11) 3107.0498, no site www.caixa.gov.br ou pelo e-mail remaisp@caixa.gov.br.

Museu da Caixa e Conjunto Cultural da Caixa

Horário de funcionamento: terça a domingo, de 9h às 21h

Onde: Praça da Sé, 111

Telefone: (11)3107.0498

Patrocínio: Caixa Econômica Federal

fonte: aomestrecomcarinho.com.br

Tratamentos capilares: quais os melhores?

Melhores tratamentos para o cabelo

1) Óleo de rícino

Qualquer tipo de óleo vegetal, desde que puro, é extremamente nutritivo para o cabelo, e pode ajudá-lo a recuperar porções lipídicas necessárias para que ele se mantenha forte.

O óleo de rícino contribui para o fortalecimento e crescimento dos fios – isso porque ele estimula a circulação sanguínea no couro cabeludo, que, quando desestimulada, compromete a absorção de nutrientes de forma satisfatória pelos cabelos –, combate a queda e principalmente a quebra deles. Logo, quem tem cabelos fragilizados, em virtude, por exemplo, da realização de algum procedimento químico capilar, pode recorrer a ele.

2) Óleo vegetal de semente de uva

O óleo de semente de uva proporciona vários benefícios, tantos estéticos quanto para a saúde. Ele é rico em vitaminas C, E e betacaroteno, e por ser bastante denso, é de fácil e rápida absorção cutânea.

Ele também combate o envelhecimento precoce da pele, evitando o surgimento de rugas, uma vez que retarda a deterioração das células cutâneas. Ademais, ele diminui à oleosidade e, consequentemente, contribui para evitar a acne.

Outro proveito interessante dele se refere ao estímulo proporcionado à elasticidade da pele. Ele combate e previne estrias, assim, é útil para quem têm predisposição a tê-las e para gestantes.

Pelo fato do óleo de uva ser muito umectante e nutritivo, ele ajuda a inibir o ressecamento do cabelo, principalmente das pontas.

3) Shampoo bomba com Monovin A e Bepantol

Não há problema em adicionar betanpol ao shampoo, inclusive, há uma versão desse produto específica para os cabelos.

Já o Monovin A é um composto de uso veterinário, utilizado em animais de grande porte, como cavalos. Ele cumpre bem a função de tornar o pelo mais bonito, forte e saudável.

Ele não é de uso oral e nem injetável (modo em que é aplicado nos animais). Muitos usam-no misturado ao shampoo, visando hidratar o cabelo e fazê-lo crescer. Basicamente ele contém vitamina A concentrada e óleo de amendoim.

O problema do Monovin A é em relação a excessiva quantidade de vitamina A que possui. Isso dificulta o estabelecimento de uma dosagem segura a ponto dele não causar prejuízos para o cabelo ou à saúde. O uso inadequado dele pode acarretar intoxicação. O que se aplica no couro cabeludo, acaba sendo liberado na corrente sanguínea e passa a circular no organismo, por isso, não é recomendado, por exemplo, que grávidas utilizem tinturas sobre o cabelo, pois esses tratamentos podem, de fato, afetar o bebê.

Se o intuito for adicionar vitamina A ao shampoo, recomenda-se adquirir ampolas correspondentes, pois elas possuem concentrações vitamínicas dentro de uma faixa relativamente segura ao corpo humano.

4) Relaxamento capilar e selagem simultânea

Todo procedimento químico realizado no cabelo, seja relaxamento, selagem, descoloração, pintura, alisamento, entre outros, a depender da forma como são realizados, podem provocar mais ou menos danos aos fios.

É desaconselhável submeter o cabelo a um excesso de química em um mesmo dia, pois há chance dos fios ficarem ressecados ou não suportem isso.

Além disso, não se recomenda a realização em conjunto dos procedimentos de relaxamento e descoloração, já que eles alteram a estrutura capilar, e em alguns casos, além de quebra, podem provocar queda dos fios.

Os danos proporcionados por esses procedimentos são acumulativos. Assim, a cada nova aplicação, o cabelo se deteriora gradativamente.

Memória do Teatro Paulista

O Arquivo do Estado é um lugar bem interessante de conhecer. Lá funciona o Centro de Memória do Teatro Paulista, com exposições, espetáculos gratuitos para crianças, adolescentes e adultos, além de mostras com objetos, livros raros e fotografias. Pretende-se, com isto, preservar a história do teatro. Aguarda-se agora a instalação do Programa Galeria, com gravações em vídeo de depoimentos de personalidades do meio artístico. O Arquivo do estado fica na Voluntários da Pátria, 596, no bairro de Santana.

Centro de Memória do Teatro Paulista

O Centro de Memória do Teatro Paulista funciona no Arquivo do Estado, com exposições, espetáculos gratuitos para crianças, adolescentes e adultos. Além de preservar a história do teatro, o Centro realiza mostras com objetos, livros raros e fotografias, além de marcar palestras culturais. O próximo passo é instalar o Programa Galeria, com gravações em vídeo de depoimentos de personalidades do meio artístico.

fonte: aomestrecomcarinho.com.br

MEC promove Semana da Consciência Negra

O Ministério da Educação vai realizar, de 22 a 26 de novembro, a Semana da Consciência Negra, com ampla programação voltada para a valorização da cultura afro-brasileira e dos afrodescendentes do País. O evento contempla manifestações musicais, fotografias, moda étnica, dança, cinema, debate, coleta de donativos em solidariedade ao Haiti e mesa-redonda sobre os impactos da aplicação do Decreto nº 4.228/02, que determina percentual de vagas nos setores de decisão do governo para afrodescendentes.

A abertura da Semana da Consciência Negra no MEC será às 10h da segunda-feira, 22, no auditório do edifício-sede, em Brasília. Na seqüência da solenidade de abertura, haverá a inauguração do Mural das Ações do MEC, sobre as políticas públicas para as populações negras no Brasil e no exterior, e da Cooperação entre Brasil e Cabo Verde para a criação da primeira universidade pública naquele país africano de língua portuguesa. Haverá, ainda, a exposição de fotografias sobre a temática afrocultural, de fotógrafos profissionais do MEC, e a Mostra de Moda Étnica.

fonte: aomestrecomcarinho.com.br

Férias tem exposição de espécies exóticas em São Sebastião

Espécies exóticas do fundo do mar estão à espera de visitantes nas férias de janeiro. São as visitas monitoradas à costa brasileira, promovidas pelo Centro de Biologia Marinha da USP (Cebimar), em São Sebastião, SP.

O Cebimar estará aberto ao público entre 13 de janeiro e 6 de fevereiro de 2005, de quinta a domingo, das 14h às 17h. Os visitantes serão atendidos em grupos de cerca de dez pessoas acompanhadas por um monitor que esclarecerá dúvidas e curiosidades e transmitirá informações sobre os ecossistemas marinhos, os animais e algas que neles vivem e como as pesquisas científicas são realizadas nesta área do conhecimento.

A visita monitorada do Cebimar visa conscientizar os visitantes sobre preservação ambiental. Na primeira parte está prevista uma caminhada pela praia e costões rochosos para reconhecimento do ecossistema marinho e os organismos que nele vivem. Os monitores transmitem informações sobre as pesquisas que são realizadas no Cebimar, conceituam a questão do lixo reciclável e descartável e falam sobre os riscos que trazem à vida marinha. Serão abordados temas como a biologia dos animais cujas rotas migratórias passam pelo Litoral Norte Paulista.

Na segunda parte da visita, o grupo será levado aos tanques aquáticos contendo organismos vivos da fauna e flora marinha. Os visitantes vão conhecer novas espécies, tipos que raramente são encontrados em outras exposições. É o caso da Ascidia, um pequeno animal que vive no fundo mar, em locais mais rasos, e que facilmente pode ser confundido com uma bolinha de piche. A outra mascote da exposição é o Crinoide, um pequeno bichinho muito parecido com uma alga. Ainda nessa fase, será possível saber sobre a vida dos bichos – alimentação, reprodução, estratégias de defesa e os cuidados com aqueles que oferecem risco a vida humana.

No CEBIMAR, a entrada é franca e todas as atividades prevêem a participação de deficientes motores e sensoriais.

Mais informações podem ser encontradas na nossa página www.usp.br/cbm ou pelo telefone (12) 3862.7149.

Centro de Biologia Marinha – USP – Rod. Manoel Hipólito do Rego, km 131,5 – São Sebastião – SP – Brasil

fonte: aomestrecomcarinho.com.br