Transdisciplinaridade será tema de palestras no congresso Saber 2006

Os atuais parâmetros curriculares reforçam a importância do uso de novas tecnologias em todas as disciplinas, principalmente daquelas que exploram a transdisciplinaridade. Pautada por este princípio, a Oficina de Textos programou duas palestras para a Sala Inteligente do Congresso Saber 2006. São elas: Imagens de satélites como recurso didático, dia 1º. de setembro, coordenada pela géografa Teresa Gallotti Florenzano, e Processos geológicos e o homem como responsável pela transformação da Terra, dia 2, da geóloga Maria Cristina M. de Toledo. O congresso acontecerá de 1 a 3 de setembro, no ITM Expo, na capital paulista.

Teresa demonstrará as multifinalidades das imagens de satélite nas aulas de Geografia, História, Matemática e até mesmo Biologia. A apresentação será das 14 às 16 horas e a inscrição deve ser feita antecipadamente no site do evento.

Maria Cristina abordará da transmissão de conhecimentos sobre o funcionamento do Planeta a partir de atividades que fazem parte do cotidiano das crianças e sua palestra será das 14 às 16 horas.

A Sala Inteligente contará com 10 atividades e será um dos destaques da décima edição do Congresso Saber. A Sala busca agregar e integrar vários recursos pedagógicos num único espaço, e quebra o paradigma tradicional da educação, que segmenta conhecimentos e dificulta a interdisciplinaridade.

As publicações paradidáticas da Oficina Textos fazem parte da uma linha da editora que procura estimular o interesse pelo planeta, sua relação com a natureza e com a questão ambiental.

Congresso Saber 2006 (Local: ITM Expo – Av. Engenheiro Roberto Zuccolo, 555)

Oficina: Imagens de satélites como recurso didático

Apresentação: Teresa Gallotti Florenzano

Data: 01/09 das 14 às 16 horas

Oficina: Processos geológicos e o homem como responsável pela transformação da Terra

Apresentação: Maria Cristina M. de Toledo

Data: 02/09 das 14 às 16 horas

Inscrições antecipadas pelo site www.congressosaber.com.br

Valor: R$ 35,00 cada oficina – Vagas limitadas

Fonte: aomestre.com.br

Respiração: como avaliá-la e como mudá-la

Como avaliar a respiração em casa

Para avaliar o estado da própria respiração, coloque uma das mãos sobre o coração, a outra na direção do umbigo, e observe qual delas é mais movimentada pelo corpo. Nas respirações mais calmas, nota-se uma tendência da movimentação predominante em torno da região abdominal. Caso a mão situada sobre o coração seja a mais ativa, esse comportamento é sinal de respiração mais rápida, normalmente ligada a quadros de ansiedade.

Readaptação da respiração

Algumas pessoas, extremamente agitadas, se sentem desconfortáveis ao diminuírem a frequência respiratória, isso porque estão habituadas a respirar aceleradamente. Uma vez que a vida esteja atribulada e tensa, o corpo passa a entender que aquela é a forma certa de respirar.

Quando uma pessoa utiliza uma peça de vestuário durante muito tempo, ela pode ter a sensação de que aquela vestimenta foi feita sob medida. A respiração também tem essa capacidade plástica de se moldar ao estilo de vida do indivíduo. Logo, podemos tanto manter o corpo em um ritmo mais leve, lento e equilibrado, ou predominantemente acelerado, o que pode acarretar o desenvolvimento de doenças.

A respiração pode ser readaptada paulatinamente. Nesse contexto, a prática de exercícios físicos é recomendada, pois eles interagem com os limites da respiração (máxima e mínima).

Respiração pausada

Atualmente, esse treino de respiração é realizado nos consultórios de psicoterapeutas, principalmente os que trabalham com abordagem cognitiva-comportamental. O trabalho do bom profissional consiste em guiar o indivíduo, estimulando-o a abraçar esse novo estilo de respiração.

Nos consultórios, médicos podem ensinar pacientes à respiração pausada. Para isso, o indivíduo deve prestar atenção à entrada e saída de ar de seus pulmões. Muitas vezes, esse exercício também pode ser uma forma de meditação. Com isso, a frequência cardíaca é regularizada. Entretanto, se o indivíduo mantiver a respiração muito lenta, com o passar do tempo ficará sonolento, o que não é o objetivo. Gradativamente, os exercícios podem ser adaptados para que cada pessoa encontre o ritmo ideal.

A respiração ensinada nos consultórios consiste em uma mais profunda, chamada de diafragmática. Para falta de ar não física, um dos primeiros elementos a serem trabalhados é o treino respiratório, que altera a química corporal responsável pelo problema.

Porém, as práticas corporais são limitadas. Isso significa que, ao mudar a respiração, o paciente também precisa reestruturar pensamentos correlacionados ao desenvolvimento do problema (falta ou excesso de ar).

Sesc Vila Mariana lança o Centro de Educação Permanente em outubro

O SESC São Paulo tem como objetivo prioritário difundir programas permeados pela dimensão socioeducativa ao compreender que a formação contínua é valor fundamental que permite o desenvolvimento das pessoas e o incremento de sua qualidade de vida.

Seminários, colóquios e conferências, realizados com freqüência, tornaram o SESC Vila Mariana um ponto de referência para a busca do conhecimento e o debate entre diferentes tendências do pensamento contemporâneo.

Contemplando estes objetivos, o Centro de Educação Permanente do SESC Vila Mariana inicia suas atividades a partir de 3 de outubro, para consolidar o trabalho já desenvolvido pela entidade na área de educação não-formal e desenvolvimento cultural, promovendo cursos livres e de breve duração, concebidos com a perspectiva de fornecer instrumentos para a compreensão das diferentes áreas do conhecimento, tais como artes visuais, música, literatura, esporte, história, política, ciência e nutrição, tendo como proposta o entendimento mais abrangente e crítico da realidade vivida.

Os cursos são voltados para todos os interessados e não exigem pré-requisitos para participação. As inscrições para os cursos estão abertas e podem ser feitas no SESC Vila Mariana, na Central de Atendimento, de terça a sexta, das 10h às 21h30min, e sábados e domingos, das 10h às 18h30min.

Programação dos cursos:

Encontros com a Arte Moderna e Contemporânea; Alimentos: da Natureza ao Artifício; Benditos e Malditos da Literatura; Heróis e Vilões do Esporte; Ética na Política; O Prazer dos Olhos Iniciação à Linguagem do Cinema; Século XX e XXI: Conflitos e Guerras; História da Música Popular Brasileira e Cosmos: Ciência e Mitos)

Aula inaugural: dia 3 de outubro, às 20h

Cursos

O prazer dos olhos – iniciação à linguagem do cinema

O curso propõe uma abordagem histórico-analítica da linguagem do cinema, seus desenvolvimentos e rupturas, por meio de apresentações, demonstrações por meio de recortes, análises de seqüências e discussões de filmes disponíveis em DVD.

Com Cássio Starling Carlos, jornalista, ex-editor da Folha Ilustrada e crítico de cinema da Folha de S. Paulo.

Quartas, das 19h30min às 21h30min

Carga horária: 12h

R$ 60,00; R$ 45,00 e R$ 30,00

Benditos e malditos da literatura: tradição e ruptura

Serão apresentados os textos mais significantes de oito importantes escritores do século XX: Franz Kafka, Herberto Helder, James Joyce, Vladimir Maiakovski, Hilda Hist, Oswald de Andrade, Campos de Carvalho e Augusto de Campos.

A cada encontro, os participantes vão ler e avaliar textos do autor principal e de outros escritores, Com Nelson de Oliveira, escritor e doutorando em Letras pela USP. É autor de mais de vinte livros publicados no Brasil e no exterior, entre os quais Subsolo Infinito (romance, 2000), A Maldição do Macho (romance, 2002), Verdades Provisórias (ensaios, 2003) e Algum Lugar em Parte Alguma (contos, 2006)

Quartas, das 15h às 17h.

Carga horária:16h

R$ 80,00; R$ 60,00 e R$ 40,00

Cosmos: ciência e mitos

O curso aborda o cosmos como um conjunto de mitos, crenças, percepções e modos de apreensão que constituem o universo. Serão apresentadas diferentes concepções da cosmologia desde as civilizações antigas até a Era Moderna, quando adquiriu status de ciência a partir de 1917, com a publicação de Considerações Cosmológicas sobre a Teoria da Relatividade Geral, de Albert Einstein.

Com Amâncio Friaça, pós-doutorado em Astrofísica e astrônomo do Instituto Astronômico e Geofísico da USP.

Quartas, das 19h30min às 21h30min.

Carga horária: 16h

R$ 80,00; R$ 60,00 e R$ 40,00

Encontros com a arte moderna e contemporânea

O curso apresenta um panorama das obras de arte modernas e contemporâneas. Serão abordados artistas fundamentais do fim do século 19 até os anos 1960.

Com Rafael Vogt Maia Rosa, crítico de arte e mestre em Teoria Literária e Literatura Comparada pela Universidade de São Paulo. É professor do Bacharelado em Artes Plásticas da Faculdade Santa Marcelina de São Paulo.

Quintas, das 9h às 11h.

Carga horária: 14h

R$ 80,00; R$ 60,00 e R$ 40,00

Séculos XX e xXXI: conflitos e guerras

O curso aborda as principais questões relacionadas aos conflitos armados com o objetivo de compreender as relações internacionais no cenário político atual. Serão analisadas as principais ações bélicas que marcaram os séculos XX e XXI, a partir do entendimento das chamas guerras convencionais (guerras mundiais e Vietnã) e as novas formas de conflitos existentes no mundo contemporâneo (guerrilha e terrorismo).

Com Reginaldo Mattar, mestre em Ciência Política pela Universidade Estadual de Campinas, doutor em Ciências Sociais área de Relações Internacionais (PUC-SP), professor de pós-graduação em Relações Internacionais (Unesp, Unicamp e PUC-SP) e coordenador do curso de Relações Internacionais da PUC-SP.

Quintas, das 19h30min às 21h30min

Carga horária: 14h

R$ 80,00; R$ 60,00 e R$ 40,00

Alimentos: da natureza ao artifício

O curso propicia análise e reflexão sobre as condições em que são processados os alimento ingeridos no cotidiano e identifica os principais problemas e as possíveis soluções relativas à qualidade dos alimentos que podem ameaçar a saúde.

Com Alexandre Harkaly (ESALQ-USP), Carla Cotta (UERJ) e José Pedro Santiago (ESALQ-USP)

Sábados, das 10h às 12h.

Carga horária: 8h

R$ 40,00; R$ 30,00 e R$ 20,00

Movimentos culturais no esporte

O curso estabelece como ponto de partida o paralelo entre a criação histórica do jazz, nos Estados Unidos, e a recriação do futebol como arte, no Brasil, tendo em vista revelar a dinâmica cultural entre elementos provenientes de diferentes patrimônios simbólicos. Como desdobramento desta abordagem, o curso desenvolve um exercício comparativo por meio da análise do boxe e do reggae, do basquete e do rap, dentre outras manifestações culturais caracterizadas pela interinfluência da música, da religião, do esporte e da política.

Com José Paulo Florenzano, doutor em Ciências Sociais PUC-SP, professor do Núcleo de Estudos do Cotidiano e Cultura Urbana da PUC-SP e diretor do Museu da Cultura da PUC-SP.

Sábados, das 15h às 17h.

Carga horária: 16h

R$ 80,00; R$ 60,00 e R$ 40,00

Ética na política

O curso aborda os limites da ética na política e as formas de arbítrio e violência dos que dirigem o Estado brasileiro. Serão discutidos temas como a influência do Estado absolutista na política brasileira, a concentração dos poderes no governo federal e a relação entre administradores públicos e a sociedade.

Com Roberto Romano, professor titular de Ética e Filosofia da Unicamp.

Terças, das 19h30min às 21h30min

Carga horária: 8h

R$ 40,00; R$ 30,00 e R$ 20,00

História da música popular brasileira

O curso propõe uma visão panorâmica da história da música popular brasileira, situando as grandes linhas estéticas e seu diálogo com a sociedade e as questões de seu tempo. Nesse sentido, será desenvolvida uma análise da própria sociedade brasileira por meio da audição de gravações originais, promovendo aos participantes o acesso a obras de referência.

Com Ricardo Nogueira de Castro Monteiro, doutor em Semiótica (USP), mestre em Letras (USP) e bacharel em Composição (USP). É professor de pós-graduação na disciplina História da Música Popular Brasileira na Universidade Anhembi Morumbi e na Faculdade de Música Carlos Gomes.

Terças, das 19h30min às 21h30min

Carga horária: 16h

R$ 80,00; R$ 60,0 e R$ 40,00

(Os preços são, respectivamente, para usuários sem vínculo, usuários inscritos e estudantes e trabalhador no comércio e serviços matriculado e dependentes).

Para os cursos com carga horária de 16h, o pagamento poderá ser em 2 parcelas

Local: Salas 3 e 4 – 6o andar Torre A

SESC Vila Mariana (Rua Pelotas, 141)

Informações: (11) 5080.3000 – 0800.118220

www.sescsp.org.br

40 vagas por curso

Recomendação de faixa etária: acima de 12 anos

Fonte: aomestre.com.br

Grupo Tarancón marca a abertura do projeto Vitrola Moderna do SESC Vila Mariana

O quinteto brasileiro traz som do folclore e do cancioneiro latino-americano dentro do projeto Vitrola Moderna. Dia 13/10.

A banda realiza show de reencontro dos integrantes originais: Emilio de Angeles, Jica Thomé e Miriam Mirah, em uma retrospectiva de três décadas de trabalho. Formado em 1972, Tarancón foi o primeiro grupo brasileiro a pesquisar e divulgar a música feita nos países da América Latina.

A apresentação marca a primeira edição do projeto Vitrola Moderna, que contempla artistas de diversos gêneros e estilos musicais que tenham suas carreiras consolidadas fora do circuito da grande mídia e da indústria fonográfica estabelecida. Com enfoque sobre profissionais com mais de cinco discos gravados, o projeto aborda, inclusive, a época dos discos em vinil com um trabalho de cunho autoral.

O quinteto é composto por Jica Thomé (percussão, bombo leguero, bongô e voz), Emílio de Angeles (zampoña, quenas, tarkas e voz), Enan Racan (violão, violãozinho e voz), Jorge Miranda (baixo, charango e voz ) e Victor Peralta (zampoña, quenas, violão, charango e voz). O show conta, ainda, com a participação especial da ex-integrante Miriam Mirah (voz).

Além de equipamentos convencionais como violão e baixo elétrico, o grupo utiliza instrumentos de países da América Latina, como a quena (flauta de pã), a zampoña (flauta no formato de totens), o bombo leguero (bumbo de pele de ovelha) e o charango (bandolim feito com casca de tatu).

O grupo apresenta canções do folclore latino-americano, como A Rosa (Brasil), A Mi Palomita (Chile), A La Molina No Voy Más (Peru), Señora Chichera e Tinku (Bolívia); além de composições de brasileiros como Dança (Chico César) e Promessas do Sol (Milton Nascimento / Fernando Brant).

Tarancón surgiu como grupo de oposição à ditadura militar, com canções de protesto. Em manifestação contra a censura, a banda participou de evento ao lado dos artistas Milton Nascimento, Chico Buarque, MPB 4, entre outros.

Os músicos ganharam destaque com a participação no Festival da TV Globo em 1985, com a música Mira Ira (Lula Barbosa e Vanderlei de Castro). A música recebeu prêmio de melhor arranjo e o segundo lugar na classificação geral. O conjunto possui nove discos lançados. O último, Vuelvo para Vivir (1997), foi produzido em comemoração aos 25 anos do grupo.

TARANCÓN

Dia 13/10. Sexta, às 20h30min

R$ 6,00; R$ 4,00 (usuário matriculado) e R$ 3,00 (trabalhador no comércio e serviços matriculado, estudante com carteirinha, idoso e aposentado acima de 60 anos)

Auditório (131 lugares)

Ingressos à venda em todas as unidades do SESC

Acesso a pessoas portadoras de deficiência

Classificação etária: 12 anos

SESC Vila Mariana (Rua Pelotas, 141)

Informações: (11) 5080.3000

www.sescsp.org.br

Estação Ciência participa da 11ª Semana de Arte e Cultura

Será realizada de 22 a 30 de setembro a 11ª edição da Semana de Arte e Cultura da USP, que tem como objetivo ressaltar a importância das atividades artísticas e culturais no cotidiano da Universidade de São Paulo e das práticas acadêmicas, apresentando eventos especialmente produzidos pelos seus diversos órgãos e unidades.

A programação é composta por mais de 120 atividades, como apresentações musicais e teatrais, exibição de vídeos e filmes, exposições, oficinas, mesas-redondas, palestras e visitas monitoradas a museus. A entrada é gratuita e as atividades acontecerão nos Campi de São Paulo, Bauru, Piracicaba, Pirassununga, Ribeirão Preto e São Carlos.

A Estação Ciência participa do evento com visitas monitoradas ao seu espaço expositivo, apresentação do espetáculo teatral Larguem tudo, vamos voar! e quatro oficinas gratuitas: Oficina sobre as Transformações de Energia; O Universo: mitos da criação segundo diferentes crenças; Estudando o ar e observar e caracterizar diferentes amostras de solo.

As inscrições devem ser feitas até um dia antes da data do evento. Os interessados podem enviar nome completo, número do RG e telefone de contato para o email eventos@eciencia.usp.br, aguardando retorno para confirmação da inscrição.

Confira abaixo as atividades realizadas pela Estação Ciência, também disponíveis no site da Estação Ciência (www.eciencia.usp.br):

Oficina sobre as Transformações de Energia

Aborda temas como a dilatação térmica, os princípios das máquinas térmicas e as transformações de energia mecânica em elétrica. O que há de comum entre uma locomotiva a vapor e uma usina nuclear? Quais os princípios que permitem construir máquinas térmicas como a máquina a vapor e a máquina de Stirling? A proposta da oficina é dar subsídios para responder perguntas como estas, reunindo um conjunto de maletas de demonstração relacionadas a tais temas.

Ministrantes: Maria Carmen Hermida Martinez Ruiz, Luis Henrique Sinki Kadowaki, Francisco Flávio Ribeiro Vianna

Vagas: 20

Data: 22 de setembro, das 14h às 17h

Local: Estação Ciência – Sala A

Público-alvo: a partir de 6 anos

Gratuito

O Universo: mitos da criação segundo diferentes crenças

Pautada na Geografia (nosso planeta, galáxias, aglomerados, super aglomerados) e na Ecologia, a oficina pretende oferecer ao participante uma visão geral sobre alguns aspectos do Universo em que vivemos, desde sua criação, narrada por mitos de diferentes crenças, passando pela nossa localização no cosmos.

Ministrantes: Rogério Monteiro de Oliveira e Luis Sinki Kadowaki

Vagas: 20

Data: 23 e 24 de setembro, das 14h às 17h

Local: Estação Ciência – Sala A

Público-alvo: a partir de 10 anos

Gratuito

Estudando o Ar

O ar, sempre presente em nossas vidas, passa despercebido na maior parte do tempo. Nessa oficina, serão realizadas várias experiências com os professores para discutir a existência e as propriedades do ar, visando o desenvolvimento de atividades com os alunos.

Responsável: Prof. Dr. Ernst W. Hamburger (coordenador do Projeto Mão na Massa)

Colaboradores: Beatriz Aparecida Caprioglio de Castro Athayde, Alexandre Hiroshi Kobashigawa e Érika Regina Mozena

Vagas: 25

Data: 27 de setembro, das 14h às 17h

Local: Estação Ciência – Sala A

Público-alvo: professores do Ensino Fundamental I

Gratuito

Observar e caracterizar diferentes amostras de solo

A oficina propõe a observação e a descoberta de algumas características sobre um dos componentes dinâmicos e fundamentais da natureza, o solo, criando pequenas esculturas.

Ela visa identificar diferentes características dos solos, atentando para informações que podem ser obtidas através de observações simples que aguçam a curiosidade dos alunos. A partir de discussões sobre as diferenças ou semelhanças de algumas amostras de solo percebidas visualmente, ou outras vinculadas a nossas sensações táteis ou ainda em mistura com água, pode-se fazer uma caracterização simples dos solos.

Responsável: Prof. Dr. Ernst W. Hamburger (coordenador do Projeto Mão na Massa)

Colaboradores: Simone Falconi, Beatriz Aparecida Caprioglio de Castro Athayde e Érika Regina Mozena.

Vagas: 25

Data: 29 de setembro, das 9h às 12h

Local: Estação Ciência – Sala A

Público-alvo: professores do Ensino Fundamental I

Gratuito

Larguem Tudo, Vamos Voar!

O espetáculo teatral foi idealizado a partir das comemorações pelo centenário do vôo do 14 bis e tem como tema o desejo humano de voar, em homenagem especial a Santos Dumont. A temática e a linguagem adotadas pela peça são bastante atraentes para jovens e adultos, fazendo com que busquemos o Santos Dumont que há em cada um de nós.

Larguem tudo conta com Cauê Matos e Fabíola Iszlay no elenco e é escrita e dirigida por Darci Figueiredo, numa produção do Núcleo de Artes Cênicas da Estação Ciência e da Cia. Fábula da Fíbula da Cooperativa Paulista de Teatro.

Vagas: 190

Data: 22 e 23 de setembro, às 21h

Local: Estação Ciência – Auditório Ernst Hamburger

Valor: R$ 20,00 (estudantes e professores pagam meia entrada)

Visitas Monitoradas

A Estação Ciência é um centro de difusão científica, tecnológica e cultural. Suas atrações mostram como os conceitos científicos estão presentes no cotidiano de cada um de nós. São mais de 3 mil metros quadrados de área com exposições e experimentos interativos e lúdicos, que abordam temas como física, biologia, astronomia, matemática, meteorologia, geografia, urbanismo e geologia, entre outros.

Dias e Horários: 3ª e 6ª, das 8h às 18h. Sábados e domingos, das 9h às 18h

Local: Rua Guaicurus, 1394 – Lapa

Telefone para informações: (11) 3673.7022, r.219 ou (11) 3675.8828

E-mail: eventos@eciencia.usp.br

Valor: R$ 2,00 (gratuito para menores de 6 anos e maiores de 60)

Fonte: aomestre.com.br

Eles já foram ao zoológico, passaram uma noite inteira acordados brincando e agora vão à praia!

Seguindo a trilha de “Zôo-ilógico” e “Inzôonia”, a Cia. Teatro das Coisas, apresenta o seu mais novo projeto, o espetáculo Guarda Zool, com Cláudio Saltini, Raniere Guerra e Izildinha Costa, que está no Teatro Alfa – Sala, até 8 de outubro.

Desde a inesperada chuva (e o que fazer agora?), assim que pisam na areia, até as inocentes brincadeiras com baldes, pazinhas e divertidos e inusitados bonecos feitos de areia e água, entre tantas outras pequenas aventuras, Guarda Zool trata de, não apenas recriar o ambiente da praia, mas, sobretudo de oferecer um novo “olhar” sobre as formas com que as crianças representam o mundo em suas inocentes, mas fundamentais brincadeiras.

Com muito imaginação, Guarda Zool retrata as brincadeiras da praia, presente na vida das crianças e na memória dos adultos em um espetáculo para todas as idades.

O Teatro de Bonecos tem o notável poder, entre as artes cênicas, de retratar a vida humana em caricaturas ou metáforas, transitando, assim, entre o humor e a poesia com extrema delicadeza. Encanta pais e filhos com a mesma eficácia. Seu poder de comunicação com as crianças é imediato. Guarda Zool utiliza diversas técnicas dessa forma de arte, com destaque para o Teatro de Objetos em que o o ator não se expressa através de seu corpo, mas sim por meio de um objeto intermediário. Nele, o ator empresta sua voz, expressões e movimentos corporais para a criação de um personagem que nada mais é senão seu próprio ser transformado, mas ainda em aspecto antropomórfico.

Guarda Zool 9

(Cia. Teatro das Coisas )

Recomendado para crianças a partir de 3 anos

Até 08 de outubro, aos sábados e domingos, às 17h30min

Local: Teatro Alfa – Sala B (R. Bento Branco de Andrade Filho, 722 – telefone: (11) 5693.4000)

Preço: Crianças até 12 anos: R$10,00 – Adultos: RS20,00

Site: www.teatroalfa.com.br

Atividades gratuitas para educadores na Estação Ciência

Com o objetivo de contribuir com o ensino brasileiro e ajudar na difusão científica, a Estação Ciência oferece durante todo o ano diversas atividades, muitas delas gratuitas, direcionadas a professores e educadores. Confira abaixo as próximas atividades programadas. Os interessados podem enviar nome completo, número do RG e telefone de contato para o e-mail eventos@eciencia.usp.br, indicando as atividades de interesse e aguardando confirmação da inscrição. Mais detalhes podem ser encontrados no site www.eciencia.usp.br.

Oficina Anatomia da Madeira

Propõe a identificação de características anatômicas da madeira e do que ela é constituída, bem como a observação de cortes microscópicos e o conhecimento de algumas madeiras utilizadas comercialmente. Direcionada a professores de primeiro grau, a oficina conta com atividades que podem ser feitas em sala de aula, tornando as aulas de botânica mais interativas, utilizando materiais reaproveitados de jardins e marcenarias. Ministrada pelo biólogo Raphael Jaquier Bossler Pigozzo, a oficina acontecerá no dia 7 de outubro, das 9h às 12h, com 30 vagas.

Estudando o Ar

O ar, sempre presente em nossas vidas, passa despercebido na maior parte do tempo. Nessa oficina, serão realizadas várias experiências com os professores para discutir a existência e as propriedades do ar, visando o desenvolvimento de atividades com os alunos. A coordenação é do prof. Dr. Ernst W. Hamburger (coordenador do Projeto Mão na Massa) e são 25 vagas. A atividade acontece em 27 de setembro, das 14h às 17h.

Observar e caracterizar diferentes amostras de solo

A oficina propõe a observação e a descoberta de algumas características sobre um dos componentes dinâmicos e fundamentais da natureza, o solo, criando pequenas esculturas. Ela visa identificar diferentes características dos solos, atentando para informações que podem ser obtidas através de observações simples que aguçam a curiosidade dos alunos. A partir de discussões sobre as diferenças ou semelhanças de algumas amostras de solo percebidas visualmente, ou outras vinculadas a nossas sensações táteis ou ainda em mistura com água, pode-se fazer uma caracterização simples dos solos. Também com a coordenação do prof. Dr. Ernst W. Hamburger (coordenador do Projeto Mão na Massa), a atividade tem 25 vagas e ocorre no dia 29 de setembro das 9h às 12h.

Ciclo de Palestras “Física para Todos”

O ciclo de palestras “Física para Todos” é realizado desde 2005 em parceria com o Instituto de Física da USP. Até dezembro, no primeiro sábado de cada mês, serão apresentados os mais diversos temas, sempre com linguagem acessível a todos os interessados.

Século das Partículas

Prof. Dr. Marcelo Gameiro Munhoz (Instituto de Física da USP)

7 de outubro, sábado, 15 h

Imagine a seguinte situação. Pegue um pedaço de qualquer material (madeira, borracha, plástico, metal, qualquer coisa mesmo) e divida-o ao meio. Tome uma de suas metades e divida-a novamente ao meio. Imagine a repetição dessa divisão milhões e milhões de vezes. Esquecendo por um instante as limitações puramente técnicas dessa empreitada, você já se perguntou onde isso iria parar? Ou melhor, será que isso teria um fim? Se tiver, o que restará em nossas mãos? O que será isso? Esse tipo de pergunta provoca a imaginação humana a milhares de anos. Até o início do século XX, muitos cientistas achavam que esse tipo de questionamento nem fazia o menor sentido. Uma revolução fantástica ocorreu durante esse século e, atualmente, acreditamos ter encontrado aqueles que são os menores “pedaços” de matéria que podem existir. Nesta apresentação vamos discutir como ocorreu essa maravilhosa revolução do entendimento humano sobre os constituintes básicos da matéria, e quais são os grandes desafios ainda por vir nessa jornada.

Ora bolhas! O que é a matéria mole?

Profa.Dra. Elisabeth Andreoli de Oliveira (Instituto de Física da USP)

4 de novembro, sábado, 15 h

Bolhas de sabão, clara em neve, manteiga, chocolate, cremes e plásticos são apenas alguns exemplos de materiais que não são completamente sólidos e nem completamente líquidos. De fato, esses materiais passaram a ser classificados como matéria mole, que é um estado da matéria onde as propriedades físicas são comuns aos líquidos e aos sólidos. O estudo desses materiais ganhou importância com a utilização de plásticos na fabricação de vários produtos, tais como embalagens plásticas e tecidos sintéticos, e atualmente é muito difícil olhar ao nosso redor e não encontrar um produto que não seja um material desse tipo, sobretudo na natureza. Nessa palestra veremos como a organização das moléculas nesses materiais está relacionada às suas propriedades físicas (fluidez, temperatura de fusão, etc.) e como a auto-organização das moléculas pode levar à formação de estruturas complexas, fundamentais para atividades biológicas dos seres vivos.

A natureza da luz: da antigüidade remota aos dias de hoje

Profa. Dra. Suzana Salém Vasconcelos (Instituto de Física da USP)

2 de dezembro, sábado, 15 h

O que é a luz? Como é produzida? O desejo de explicar a luz existe desde tempos remotos. Diferentes concepções e várias teorias sobre a natureza da luz foram formuladas ao longo da história humana. Nesta palestra será discutida a evolução do conhecimento acerca da luz e apresentadas, de forma simples, as atuais teorias que procuram responder tais questões.

Estação Ciência – Centro de Difusão Científica, Tecnológica e Cultural da Rua Guaicurus, 1394, Lapa, CEP 05033-002, São Paulo – SP

Telefone (11) 3673.7022 o Fax (11) 3673.2798

www.eciencia.usp.br – eventos@eciencia.usp.br

Atividades gratuitas para professores.

Fonte: aomestre.com.br

Aproveite o Dia da Criança e passeie com a família pelo centro histórico de São Paulo

O Centro Cultural Banco do Brasil oferece programas culturais gratuitos com orientação de monitores. São visitas pelo prédio e atividades práticas nas oficinas

Aproveitar os programas culturais diferenciados oferecidos pela cidade de São Paulo é uma boa pedida de lazer para fazer com a família, com as crianças ou com os amigos. Uma sugestão que alia lazer e cultura é visitar o Centro Cultural Banco do Brasil, instituição instalada em um prédio no Centro de São Paulo, construído em 1901, na rua Álvares Penteado, bem no coração do centro histórico da cidade, restaurado para manter os elementos originais que o tornam um dos mais significativos exemplos da arquitetura do começo do século.

Para que os visitantes possam conhecer um pouco mais da história do centro e do CCBB, com seus detalhes históricos, a instituição oferece, gratuitamente, visitas acompanhadas de oficinas na atividade Conhecendo o CCBB. Aos interessados em arte e meio ambiente, outra dica é participar da oficina Reciclos e Resíduos. Uma terceira oficina é Fachadas e Avessos, atividade sobre estilo, comportamento e a importância que se dá à aparência na sociedade atual.

Oficina Fachadas e Avessos

Levantando questões sobre a aparência, a atividade faz um contraponto com a cultura do modismo e o consumo descartável. Destinada a interessados em geral, estudantes (do Ensino Fundamental a universitários), ongs e instituições, as oficinas contam com o suporte da equipe de educadores do CCBB.

Para debater a relação entre a ‘fachada’ e seu ‘avesso’, quer dizer, a imagem externo e o interior, a oficina Fachadas e Avessos propõe uma reflexão sobre a importância dada à aparência física na sociedade atual, levando em consideração questões como referências culturais, comportamento, estética, moda e padrões de beleza. A atividade inclui a análise de fotos de personagens anônimos, sem grandes traços de estilos ou estereótipos. Com essas imagens os participantes fazem uma primeira leitura a partir da aparência, com a intenção de discutir se é possível saber algo sobre uma pessoa somente pelo modo como ela se veste.

Em seguida é exibido um vídeo criado pela equipe de arte-educadores, com duração de aproximadamente sete minutos, contendo uma seqüência de imagens, frases e trilhas sonoras que provocam uma reflexão sobre questões culturais, estéticas, históricas e antropológicas. O vídeo mostra o padrão estético de ícones de beleza, de Monalisa a Gisele Bundchen, Brad Pitt e Tati Quebra Barraco. O filme aborda, ainda, a beleza feminina e masculina, traz informações sobre história da arte até a cultura popular atual, provocando uma análise sobre como o meio, o contexto familiar, cultural e social influenciam as questões íntimas e pessoais.

Na segunda parte da oficina são apresentados trabalhos de artistas contemporâneos, como Nazaré Pacheco, Orlan, Nan Goldin, Cindy Sherman, Vanessa Beecroft e Spencer Tunick. A proposta é entender como eles trabalham esses conceitos de aparência e beleza. No final, os participantes colam e desenham objetos no corpo de um manequim, para representar o avesso. Para encerrar, o grupo faz uma leitura dos resultados levando em conta como conceberam a representação partindo da imagem do personagem ali representado.

Oficina Temática Reciclos e Resíduos

Para os interessados em arte e meio ambiente, atração à parte é a atividade prática da oficina Reciclos e Resíduos A oficina discute o excesso de lixo produzido pela sociedade de consumo. A partir do vídeo “Ilha das Flores”, de Jorge Furtado (duração de 14 minutos), a idéia é investigar as relações entre os problemas sociais e os problemas ambientais. Os orientadores mostram trabalhos de vários artistas que se utilizam de resíduos em suas obras, como Guto Lacaz e Franz Krajcberg, entre outros, com a intenção de sensibilizar os participantes da oficina. Em grupo, eles propõem uma campanha sobre esses temas (criada com resíduos e material reciclado diferenciado, como madeira, casca de ovo, plástico, papel e papelão etc, fornecidos pelo CCBB), que será levada e continuada em suas famílias, escolas e comunidades para que outras pessoas também reflitam e se posicionem. Para despertar a consciência ambiental.

Visita Educativa Conhecendo o CCBB

Acompanhada de oficinas temáticas que exploram o acervo arquitetônico do CCBB e sua evolução social, a visita começa em frente ao prédio, no calçadão, com os arte-educadores contando detalhes históricos e arquitetônicos do centro da cidade de São Paulo e do próprio prédio do CCBB, tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Arqueológico e Turístico de São Paulo (Condephaat) e pelo Departamento do Patrimônio Histórico/Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (DPH/Conpresp). Características da edificação são exploradas e discutidas.

Consta da programação a visita ao subsolo, térreo, 1º, 2º e 3º andares, com oficinas temáticas no mezanino. Entrando no prédio e descendo para o subsolo, um objeto em particular chama bastante a atenção, principalmente das crianças – o cofre original da primeira agência do Banco do Brasil em São Paulo, que ali funcionou de 1927 até 1996. Após o passeio, os educadores ainda realizam com os participantes uma oficina temática que explora o acervo arquitetônico do CCBB e sua evolução social. Todas as atividades são interativas e aplicadas de acordo com as faixas etárias que compõem o grupo. A idade mínima aconselhável é de 5 anos.

Todas as atividades acontecem de terça a sábado, em diversos diários, com agendamento pelo telefone (11) 3113-3649. Aos domingos não é preciso agendar, basta chegar e solicitar a atividade.

Centro Cultural Banco do Brasil

Rua Álvares Penteado, 112 – Centro – SP. Aberto de terça a domingo – das 10h às 21h (próximo às estações Sé e São Bento do Metrô). Informações: (11) 3113-3651 / 3113-3652. www.bb.com.br/cultura

Fonte: aomestre.com.br

Falta de ar: causas físicas, emocionais e tratamentos

Falta de ar: um problema que não deve ser ignorado!

Dificuldades respiratórias podem estar associadas à emoções, algumas surgem devido a imprevistos, outras de um acúmulo de eventos que acabam influenciando o corpo. Uma delas é a falta de ar, alguns são mais suscetíveis a ela quando passam por uma situação de estresse ou ansiedade. Muitos recorrem a hospitais devido à sensação de que podem estar sofrendo de complicações pulmonares.

Causas físicas da falta de ar

Ao sentir falta de ar, consulte um médico, afinal, isso pode estar relacionada a doenças físicas que precisam de tratamento medicamentoso, e pode ser originado por asma, bronquite, ou insuficiência vitamínica, por exemplo, de B12.

Causas emocionais

Muitas vezes a falta de ar não está relacionada a causas físicas. Toda emoção, positiva ou negativa, tende a provocar uma alteração respiratória. Do mesmo modo, a respiração modifica as emoções. Portanto, é fundamental entender que os processos de respiração são dependentes das emoções, e vice-versa.

Exagerado, jogado aos teus pés…

O ato de intensificar uma situação, hábito inerente à natureza humana, pode gerar como consequência grave adoecimento, como um quadro de pânico, ansiedade, ou estresse crônico.

Alegria x tristeza

Os estados de tristeza e de alegria produzem tipos de respirações diferentes, por exemplo, a de uma pessoa que esteja vivenciando grande tristeza é densa e sofrida. Trata-se de um tipo de falta de ar dentro dos quadros de depressão.

Ansiedade

Algo muito comum nos quadros de ansiedade é a sensação de que a respiração não flui, nesse caso, ao perceber a existência de alguma situação perigosa, seja ela real ou não, o corpo desenvolve uma respiração rápida e superficial. Essa mudança pode afetar os batimentos cardíacos e os próprios pensamentos, deixando o indivíduo mais alerta a qualquer sinal de perigo presente no ambiente.

Caso esteja com uma falta de ar não diagnosticada por exames, não ignore-a! Não passe longos períodos sofrendo isoladamente e sem buscar a ajuda necessária.

Tratamentos

Ao sentir desconforto respiratório, é importante ser avaliado por um médico. Há grande probabilidade do problema resultar de um quadro de ansiedade, como o distúrbio do pânico, que gera sensação de asfixia, ou do próprio estresse, típico de quem trabalha muito.

Uma das alternativas de tratamento é voltada à melhora da respiração. O paciente é incentivado a praticar ioga, pilates, além de outras atividades que mantém o foco sobre a respiração enquanto os movimentos corporais são efetuados.

Outra estratégia é direcionada ao tratamento das emoções. Psicoterapias, como a cognitiva-comportamental, auxiliam quem sofre, por exemplo, de distúrbios de pânico ou ansiedade, e fazem com que o indivíduo perceba que sua respiração está muito intensa.

O consenso é que o tratamento deve ser combinado. Isso significa que corpo e mente devem ser tratados conjuntamente. Tratamentos exclusivamente respiratórios ou psicoterápicos não costumam ser o melhor caminho.

Respiração x coração

A respiração e o coração também estão relacionados. Há um aparelho muito utilizado nos Estados Unidos que demonstra o modo como a respiração afeta o coração. Para usá-lo, o médico conecta um sensor a um dos lóbulos da orelha do paciente, e um tablet passa a exibir gráficos da frequência cardíaca do paciente, indicando como ela é afetada pelos estados emocionais e o ritmo respiratório, e dessa forma, permite averiguar a respiração de quem, por exemplo, sofre de síndrome do pânico ou de ansiedade aguda.

Voando com as aves da cidade

A Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente, por meio da Divisão de Fauna Silvestre/DEPAVE 3, está realizando a Semana Voando com as Aves da Cidade, de 18 a 22 de outubro, que inclui cursos de Observação de Aves e palestra. Aos participantes do evento será entregue o pôster “As Aves do Parque Ibirapuera”, ilustrado pelo pintor naturalista Tomas Sigrist, que já produziu trabalhos para a Revista Bird Life International e outras publicações especializadas em aves.

Dentro da programação, que faz parte das comemorações dos 50 anos do Ibirapuera, serão realizados dois cursos de Observação de Aves, um no próprio Ibirapuera e outro no Parque do Carmo. Os cursos serão ministrados por técnicos da Divisão de Fauna. O evento terá, também, palestras com especialistas em Ornitologia. Martha Argel (Dra. em Ecologia/USP), Pedro Develey (Mestre Biologia/Usp e Bird Life International) e Tomas Sigrist (Avis Brasilis) vão debater a importância da presença das aves nos grandes centros urbanos. No encerramento será projetado o filme “Migração Alada”, de Jaques Perrin, filmado nas mais remotas áreas do Ártico e Amazônia e em metrópoles como Nova York e Paris.

A prática de observação de aves (birdwatching) tem se revelado um excelente instrumento na defesa do meio ambiente. Em outros países esta cultura já existe, estimulando os cidadãos a caminhadas contemplativas, pelos parques e áreas verdes.

Na saída a campo serão formados 5 grupos, que serão acompanhados por monitores. Na aula prática, recomenda-se uso de roupas de cores discretas (cinza, bege e verde), sapatos confortáveis e, se possível, trazer binóculo e caderneta para anotações.

Mini-curso de observação das aves.

Parque do Carmo             Parque Ibirapuera

Data:     18 de outubro, segunda

20 de outubro, quarta

Local:    Centro de Educação Ambiental   Auditório Prodam

Prática: 7h30min às 12h 7h30min às 12h

Teoria:  13h às 16h          13h às 16h

Público Alvo:      Educadores e universitários da área ambiental

Educadores e universitários da área ambiental

Vagas:   50          50

Palestras “A importância da Avifauna no meio urbano” e projeção do filme “Migração Alada”

Parque Ibirapuera

Data:     22 de outubro – sexta

Local:    Auditório Prodam

Palestras:            13h às 15h

” A cidade e as Aves” Dra. Martha Argel (Doutora em Ecologia – Consultora e Escritora)

” As aves da Mata Atlântica dentro da cidade de São Paulo” MS Pedro Develey (Mestre em Ecologia – Brid Life Interanational)

“Técnicas de Observação e Documentação de Aves” Pedro Sigrist (Pintor naturalista e escritor)

Projeção:

15h às 17h

Público Alvo:      Público em geral e interessados na área ambiental

Vagas:   100

Mais informações e inscrições gratuitas:

Divisão Fauna Silvestre CEA Carmo

Av. IV Centenário portão 7ª Av. Afonso Sampaio Souza, 951

Viveiro Manequinho Lopes Parque do Carmo

Pq. Ibirapuera Itaquera

tel.(11)3885.6669 / 3887.2688 tel. (11) 6749.2272

fonte: aomestrecomcarinho.com.br