Falta de ar: causas físicas, emocionais e tratamentos

Falta de ar: um problema que não deve ser ignorado!

Dificuldades respiratórias podem estar associadas à emoções, algumas surgem devido a imprevistos, outras de um acúmulo de eventos que acabam influenciando o corpo. Uma delas é a falta de ar, alguns são mais suscetíveis a ela quando passam por uma situação de estresse ou ansiedade. Muitos recorrem a hospitais devido à sensação de que podem estar sofrendo de complicações pulmonares.

Causas físicas da falta de ar

Ao sentir falta de ar, consulte um médico, afinal, isso pode estar relacionada a doenças físicas que precisam de tratamento medicamentoso, e pode ser originado por asma, bronquite, ou insuficiência vitamínica, por exemplo, de B12.

Causas emocionais

Muitas vezes a falta de ar não está relacionada a causas físicas. Toda emoção, positiva ou negativa, tende a provocar uma alteração respiratória. Do mesmo modo, a respiração modifica as emoções. Portanto, é fundamental entender que os processos de respiração são dependentes das emoções, e vice-versa.

Exagerado, jogado aos teus pés…

O ato de intensificar uma situação, hábito inerente à natureza humana, pode gerar como consequência grave adoecimento, como um quadro de pânico, ansiedade, ou estresse crônico.

Alegria x tristeza

Os estados de tristeza e de alegria produzem tipos de respirações diferentes, por exemplo, a de uma pessoa que esteja vivenciando grande tristeza é densa e sofrida. Trata-se de um tipo de falta de ar dentro dos quadros de depressão.

Ansiedade

Algo muito comum nos quadros de ansiedade é a sensação de que a respiração não flui, nesse caso, ao perceber a existência de alguma situação perigosa, seja ela real ou não, o corpo desenvolve uma respiração rápida e superficial. Essa mudança pode afetar os batimentos cardíacos e os próprios pensamentos, deixando o indivíduo mais alerta a qualquer sinal de perigo presente no ambiente.

Caso esteja com uma falta de ar não diagnosticada por exames, não ignore-a! Não passe longos períodos sofrendo isoladamente e sem buscar a ajuda necessária.

Tratamentos

Ao sentir desconforto respiratório, é importante ser avaliado por um médico. Há grande probabilidade do problema resultar de um quadro de ansiedade, como o distúrbio do pânico, que gera sensação de asfixia, ou do próprio estresse, típico de quem trabalha muito.

Uma das alternativas de tratamento é voltada à melhora da respiração. O paciente é incentivado a praticar ioga, pilates, além de outras atividades que mantém o foco sobre a respiração enquanto os movimentos corporais são efetuados.

Outra estratégia é direcionada ao tratamento das emoções. Psicoterapias, como a cognitiva-comportamental, auxiliam quem sofre, por exemplo, de distúrbios de pânico ou ansiedade, e fazem com que o indivíduo perceba que sua respiração está muito intensa.

O consenso é que o tratamento deve ser combinado. Isso significa que corpo e mente devem ser tratados conjuntamente. Tratamentos exclusivamente respiratórios ou psicoterápicos não costumam ser o melhor caminho.

Respiração x coração

A respiração e o coração também estão relacionados. Há um aparelho muito utilizado nos Estados Unidos que demonstra o modo como a respiração afeta o coração. Para usá-lo, o médico conecta um sensor a um dos lóbulos da orelha do paciente, e um tablet passa a exibir gráficos da frequência cardíaca do paciente, indicando como ela é afetada pelos estados emocionais e o ritmo respiratório, e dessa forma, permite averiguar a respiração de quem, por exemplo, sofre de síndrome do pânico ou de ansiedade aguda.

Voando com as aves da cidade

A Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente, por meio da Divisão de Fauna Silvestre/DEPAVE 3, está realizando a Semana Voando com as Aves da Cidade, de 18 a 22 de outubro, que inclui cursos de Observação de Aves e palestra. Aos participantes do evento será entregue o pôster “As Aves do Parque Ibirapuera”, ilustrado pelo pintor naturalista Tomas Sigrist, que já produziu trabalhos para a Revista Bird Life International e outras publicações especializadas em aves.

Dentro da programação, que faz parte das comemorações dos 50 anos do Ibirapuera, serão realizados dois cursos de Observação de Aves, um no próprio Ibirapuera e outro no Parque do Carmo. Os cursos serão ministrados por técnicos da Divisão de Fauna. O evento terá, também, palestras com especialistas em Ornitologia. Martha Argel (Dra. em Ecologia/USP), Pedro Develey (Mestre Biologia/Usp e Bird Life International) e Tomas Sigrist (Avis Brasilis) vão debater a importância da presença das aves nos grandes centros urbanos. No encerramento será projetado o filme “Migração Alada”, de Jaques Perrin, filmado nas mais remotas áreas do Ártico e Amazônia e em metrópoles como Nova York e Paris.

A prática de observação de aves (birdwatching) tem se revelado um excelente instrumento na defesa do meio ambiente. Em outros países esta cultura já existe, estimulando os cidadãos a caminhadas contemplativas, pelos parques e áreas verdes.

Na saída a campo serão formados 5 grupos, que serão acompanhados por monitores. Na aula prática, recomenda-se uso de roupas de cores discretas (cinza, bege e verde), sapatos confortáveis e, se possível, trazer binóculo e caderneta para anotações.

Mini-curso de observação das aves.

Parque do Carmo             Parque Ibirapuera

Data:     18 de outubro, segunda

20 de outubro, quarta

Local:    Centro de Educação Ambiental   Auditório Prodam

Prática: 7h30min às 12h 7h30min às 12h

Teoria:  13h às 16h          13h às 16h

Público Alvo:      Educadores e universitários da área ambiental

Educadores e universitários da área ambiental

Vagas:   50          50

Palestras “A importância da Avifauna no meio urbano” e projeção do filme “Migração Alada”

Parque Ibirapuera

Data:     22 de outubro – sexta

Local:    Auditório Prodam

Palestras:            13h às 15h

” A cidade e as Aves” Dra. Martha Argel (Doutora em Ecologia – Consultora e Escritora)

” As aves da Mata Atlântica dentro da cidade de São Paulo” MS Pedro Develey (Mestre em Ecologia – Brid Life Interanational)

“Técnicas de Observação e Documentação de Aves” Pedro Sigrist (Pintor naturalista e escritor)

Projeção:

15h às 17h

Público Alvo:      Público em geral e interessados na área ambiental

Vagas:   100

Mais informações e inscrições gratuitas:

Divisão Fauna Silvestre CEA Carmo

Av. IV Centenário portão 7ª Av. Afonso Sampaio Souza, 951

Viveiro Manequinho Lopes Parque do Carmo

Pq. Ibirapuera Itaquera

tel.(11)3885.6669 / 3887.2688 tel. (11) 6749.2272

fonte: aomestrecomcarinho.com.br

Teatro Humboldt lança 1ª Mostra de Teatro Estudantil

Nove escolas da região sul apresentam suas montagens, que vão do drama à comédia

A 1ª Mostra Humboldt de Teatro Estudantil foi criada com o objetivo de valorizar o trabalho teatral e criar uma nova oportunidade para a expressão artística de jovens alunos dos ensinos fundamental e médio da zona sul de São Paulo. Do dia 26 de novembro a 2 de dezembro, nove escolas apresentarão suas peças num evento aberto ao público, sem fins lucrativos. Os ingressos serão uma doação específica de acordo com as necessidades das ONGS beneficiadas. Cada dia de apresentação terá um produto (higiene pessoal, alimentos não perecíveis, roupas etc) diferente, que substituirá o valor da entrada comum.

Participam da Mostra montagens de diversos gêneros, como drama, comédia e crônica teatral. Grande parte dos espetáculos será exibida pela primeira vez e os estudantes participantes têm idade que varia entre 13 e 18 anos.

O processo de seleção das peças que compõem a mostra foi feito pela curadoria do teatro, com base nos temas abordados e nas características técnicas, incluindo a possibilidade de articulação com o processo pedagógico. “Com a realização da primeira mostra estudantil, esperamos aguçar e difundir o interesse dos jovens e das crianças pela cultura. Pretendemos fazer com que essa mostra se torne fixa em nosso calendário anual, para que todos os anos os estudantes possam ter um espaço com a infra-estrutura necessária para apresentação desses trabalhos”, afirma Andreas Bossert, diretor responsável pelo Teatro Humboldt.

Dia 26 de novembro – sexta-feira

1ª peça: Julieta está viva

Escola Cidade Jardim/Play Pen

A obra de William Shakespeare é revista nesta fábula que investiga a possibilidade de um final diferente para Julieta, que irá utilizar a maturidade, a autonomia e a independência de outro personagem de Shakespeare, Doróteia, para alcançar o final feliz do casal que se tornou ícone do amor eterno no ocidente.

2ª peça: À margem da vida

Escola Carandá

A atmosfera de cortesia hipócrita que dissimula a brutalidade das relações humanas é uma constante nas peças de Tennessee Williams. Nesta, a crise de 29 no Estados Unidos é apresentada nas ruínas de uma típica família de classe média, num drama intimista onde os desejos e realidades das personagens formam um cruel mosaico.

Ingresso: produtos de higiene pessoal (sabonete, pasta de dente, shampoo etc.) ou fraldas grandes, para doação à instituição Girassol, que trabalha no atendimento a crianças carentes.

Dia 29 de novembro – segunda-feira

Apresentação única: O burguês e o fidalgo

Colégio Luis Pasteur

Uma das obras mais “modernas” de Molière, que teve sua estréia em novembro de 1670, em Paris. Com humor, a peça fala sobre um burguês que não economiza esforços nem dinheiro para se tornar membro da nobreza. Ingenuamente ele se cerca de aproveitadores que contratou para se tornar mais culto.

Ingresso:alimentos não perecíveis ou produtos de higiene pessoal para doação à OASE – Ordem Auxiliadora das Senhoras Evangélicas, que atende idosos.

Dia 30 de novembro – terça-feira

1ª peça: A sonata fantasma

Colégio Friburgo

O encontro de um jovem estudante com um velho mendigo culmina num pacto de união para entrada numa mansão, que se revela fantasmagórica, com histórico de crimes e traições. Num clima de mistério é construída a relação dos dois personagens com os habitantes do sinistro casarão.

2ª peça: No Natal a gente vem te buscar

Colégio Morumbi Sul

Uma mulher de meia idade é abandonada pela família e levada, sem saber, para uma casa de repouso. Sua mente está distante e um fato inesperado a faz retornar à realidade. É quando se depara com a visita de seus irmãos, que forçados a vê-la tentam, em vão, demonstrar alegria. Ela aparenta certo prazer em recebê-los, porém, seu destino permanece intocável: o asilo.

Ingresso: alimentos não perecíveis destinados à Associação Comunitária Monte Azul, ONG que oferece oportunidade a crianças e adolescentes não privilegiados.

Dia 1º de dezembro – quarta-feira

1ª peça: Dom Casmurro

Programa Comunitário da Reconciliação

Bentinho e Capitu, amigos de infância, se casaram por amor e foram muito felizes até que o comportamento da mulher, no velório de um amigo íntimo do casal, despertou suspeitas em Bentinho, que tomado por um ciúme doentio, se tornou sombrio e gerou constantes desavenças com a mulher, até a sofrida separação.

2ª peça: O que é o Teatro para você?

Educandário Allan Kardec

A pergunta foi ganhando diversas respostas a partir de improvisações, jogos de cena e exercícios que resultaram em quatro esquetes com respostas ao questionamento em diferentes lugares do mundo. No Brasil, uma cena. Na Rússia, uma situação. Na Inglaterra, um fato. No Hawaí, um registro, e na Alemanha, um relato.

Ingresso: roupas para garotos adolescentes, destinados à ONG Casa da Praça, que dá oportunidades para adolescentes em situação de rua.

Dia 2 de dezembro – quinta-feira

1ª peça: 100 Caras de São Paulo

Colégio Humboldt

Uma crônica de paixões e perturbações sobre São Paulo, representada a partir de oito esquetes que focam os desafios diários enfrentados pelos habitantes da cidade. A concepção estética da encenação envolve elementos de multimídia e as propostas do Teatro Físico.

2ª peça: Teen

Colégio Brasil Jovem

De forma leve e bem humorada, três adolescentes – Janaína, Flávia e Laurinha – refletem sobre suas dúvidas, seu dia-a-dia e suas angústias. Assuntos como amizade, namoro e vícios são tratados abertamente, explicitando o entusiasmo e a alegria dos jovens ao encarar a vida.

Ingresso: produtos de limpeza e biscoitos para serem doados à Associação Maria Helen Drexel, ONG que atende crianças carentes.

Horários: As primeiras peças são encenadas sempre às 19h30min

As segundas peças são encenadas sempre às 21h30min

Local: Teatro Humboldt (Av. Eng. Alberto Kuhlmann, 525 – Interlagos)

Datas: do dia 26 de novembro a 02 de dezembro

Duração: aproximadamente 60 minutos, com exceção de O Burguês e o Fidalgo (2 horas e 30 min)

Capacidade: 430 lugares.

Estacionamento: grátis, 250 vagas

Acesso a portadores de deficiências.

Indicação etária: livre

Ingressos: produtos que variam de acordo com o dia das apresentações e que serão doados para ONGS

Reservas: na bilheteria, que funciona de terça-feira a sexta-feira, das 13h às 18h, e sábado e domingo, das 14h às 18h.

Informações: (11)5686.4055

fonte: aomestrecomcarinho.com.br

SESI-SP promove a “Oficina da Memória” nos centros de atividades

O projeto “Oficina da Memória” tem a finalidade de ampliar o trabalho que a Diretoria de Desenvolvimento Sociocultural do SESI-SP tem junto aos idosos, para os Centros de Atividades de Santo André, Catumbi, Rio Claro, Jacareí e Santos. O objetivo é proporcionar um espaço onde o pessoal da Terceira Idade possa exercitar sua memória, estimulando a atenção, a concentração, o raciocínio e demais funções cerebrais.

A “Oficina da Memória” é destinada a todos acima de 55 anos que desejam exercitar a memória para prevenir seu decréscimo, valorizar suas experiências de vida e identidades, treinar e exercitar o cérebro em atividades intelectuais, estimular células cerebrais em desuso e valorizar a experiência de vida e o passado dos idosos.

O número máximo de participantes na Oficina é de 15 pessoas. A “Oficina da Memória” tem duração de 4 meses, ou seja, são 16 sessões 1 vez por semana, com 3 horas de duração. Cada sessão é dividida em 2 tempos: 1h30 para exercícios de memória social/afetiva e 1h30 para exercícios de memória cognitiva. Durante as aulas são utilizados textos para leitura e análise, resgate do histórico de vida, exercícios para o cérebro e criatividade, jogos diversos e dinâmicas de grupo.

Oficina da Memória

Informações: SESI Catumbi – CAS Antonio Devisate

Endereço: Rua Catumbi, 318 – Belenzinho

Telefone: (11) 6292.0222

fonte: aomestrecomcarinho.com.br

Senac São Paulo realiza seminário gratuito sobre educação e diversidade cultural

O evento contará com a presença da cineasta Tizuka Yamasaki e pesquisadores para discutir sobre cotas no sistema educacional, respeito às diferenças culturais e outros assuntos relacionados ao tema.

O Brasil é conhecido por sua diversidade étnica, religiosa e cultural. A história da formação da população é marcada pela miscigenação de três raças: índios, brancos e negros. Com esse cenário existem inúmeras discussões e movimentos sobre como respeitar as diferenças pluriétnicas e pluriculturais no país. Para debater esses temas e estabelecer um canal de aperfeiçoamento técnico e profissional das pessoas, o Senac São Paulo promove o seminário gratuito Educação para a diversidade cultural, dia 25 de novembro, em São Paulo.

O seminário é indicado para educadores de escolas públicas e privadas e organizações sociais e será realizado em parceria com a Secretaria de Estado da Cultura; do CONSCRE – Conselho das Comunidades de Raízes e Cultura Estrangeiras.

Entre os destaques do evento está a oficina conduzida pela cineasta Tizuka Yamasaki, que ilustrará sua exposição com o filme Gaijin: somos nossas lembranças, que aborda a saga de descendentes de imigrantes japoneses que se miscigenam e buscam sua identidade no Brasil.

Representando o poder público, Sebastião Arcanjo, membro da Assembléia Legislativa, realizará palestra sobre um assunto muito discutido atualmente: Cotas e educação para a diversidade. O seminário contará também com painéis de discussões e palestras proferidas por especialistas e estudiosos, entre eles Jayme Pinsky, professor da Unicamp; Gila Fregonesi, diretora da Graded School e Sidney Antônio da Silva, antropólogo.

Durante as oficinas do evento, Cristina Zauhy, da Palas Athena, e Antonio Macedo, da Secretaria Estadual de Cultura falarão sobre diálogo, respeito e a diversidade cultural na cidade de São Paulo.

Para participar do Educação para a diversidade cultural, os interessados podem se inscrever, gratuitamente, pelo telefone (11) 6647.5151 ou no e-mail ctg@sp.senac.br.

Programação

Primeiro Painel – 9h30min

Cidadania e diversidade cultural: formas de integração

Jayme Pinsky, Professor Unicamp

Cotas e educação para a diversidade

Sebastião Arcanjo (Assembléia Legislativa de São Paulo)

Segundo Painel – 11h15min

O trabalho escravo e a lei de estrangeiros

Sidney Antonio da Silva, Antropólogo

Gaijin: somos nossas lembranças (discussão dos filmes Gaijin 1 e 2)

Tisuka Yamazaki (Cineasta, diretora e produtora)

Oficinas Simultâneas – 13h30min

Educação: privilégio, direito e responsabilidade social

Gila Fregonesi, Diretora pedagógica da Escola Graduada de São Paulo (Graded School)

O diálogo, base do conhecimento e do respeito à diversidade

Cristina Zauhy (Palas Athena)

A pluralidade cultural paulista

Antônio Macedo (Secretaria Estadual de Cultura)

Serviço

Seminário Educação para a diversidade cultural

Data: 25 de novembro de 2004

Horário: das 08h30 às 17 horas

Local: Auditório da Sede do Senac São Paulo (Rua Dr. Vila Nova, 228, térreo, salão nobre, Vila Buarque)

Entrada gratuita

Informações: (11) 6647-5151 ou pelo site www.sp.senac.br/terceirosetor

fonte: aomestrecomcarinho.com.br

Semana Circulando discute uso de espaços alternativos para educação

Discutir a possibilidade de utilização de espaços alternativos para a educação além da sala de aula, será o tema central da Semana Circulando Educação – Espaço de Construção do Conhecimento, que acontece de 18 a 21 de novembro no Parque Escola, em Santo André. As inscrições podem ser feitas até dia 11 deste mês.

O tema será abordado por meio de programação composta por oficinas, feira de livros, música, teatro e palestras como a de Tião Rocha, fundador do Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento (CPCD), que falará sobre educação popular.

Rocha é criador do Bornal de Jogos (sacolas com jogos educativos) e do projeto A Escola Debaixo do Pé de Manga, que deu origem ao Sementinha, responsável pelo atendimento a cerca de 200 crianças com idade entre 4 e 6 anos que ficaram fora do sistema tradicional de ensino. As atividades acontecem em espaços cedidos pela comunidade.

A Semana Circulando Educação pretende atingir professores da rede municipal, estadual e particular, bem como estudantes e comunidade em geral. Os interessados podem ligar para os telefones (11) 4438.5008, 4990.6914 e 4994.7651 (para todos, ramal 25).

Palestras

18/11 (auditório)

  • 13h30min: O lixo que o computador gera – Dalton Martins, da ONG Metareciclagem
  • 15h30min: Projeto Mala da Historia – Ronnie Corazza, do Projeto Sementinha
  • 18h: Línguas Tupi – Eduardo Navarro, da UNIABC

19/11 (auditório)

9h: Arte na Educação – Ana Angélica Albano, da UNICAMP

  • 13h30min: Ações de Educação Ambiental no Âmbito da Escola – Julia Silva, bióloga
  • 15h30min: Educação Popular – Tião Rocha, do Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento (CPCD)
  • 18h: Brincando e que se aprende – Gisely Souza, da Organização para o Desenvolvimento de Educação e Cidadania (ODEC)

20/11 (auditório)

  • 10h: O educar sob o olhar de Paulo Freire – Cleusa Repulho, da Secretaria de Educação de Santo André
  • 13h30min: Educação Ambiental – Katia Abade, da UNIA
  • 15h30min: O não-lugar da formação de professores – Marcos Vilella, diretor do Departamento de Educação Infantil e Fundamental da Secretaria Municipal de Educação de Santo André

21/11 – (no auditório)

  • 10h: Inclusão na Educação – Ester Azevedo, da Associação Brasileira de Apoio Educacional ao Deficiente (ABAED) e Maraligia da Silva – Centro de Atenção e Desenvolvimento Educacional (CADE)
  • 14h: Movimento da Aliança pela Infância no Brasil e no mundo, representantes da Associação Monte Azul

Programação Cultural

18/11

  • 10h às 15h: Contação de História, com Arlete Ferreira e educadoras do Projeto Sementinha.
  • 19h: Madrigal da Emia (apresentação musical) – Regencia Elaine Marin

19/11

  • 10h às 16h: Zé conta sua versão de Romeu e Julieta, com Ronnie Corazza
  • 19h30min: Distúrbios com direção de Fernando Faria

20/11

  • 16h: Sob a Luz do Luar, com direção de Fabio Farias e Vivian Maria
  • 19h30min: Infância, com direção de Antonio Correa Neto

21/11

  • 10h: Sonhos de uma Noite de Verão (cenas do espetáculo), com direção de Solange Dias.
  • 16h: O Burguês Fidalgo (pré-estréia), com direção de Ronnie Corazza.

Oficinas

18/11

  • 9h: Cerâmica (introdução à cerâmica usando a modelagem manual), com Renata Lemos (20 vagas)
  • 9h e às 19h: Alimentação e Qualidade de Vida (histórico da alimentação, funções dos alimentos, alimentação saudável, necessidade nutricional e pirâmide alimentar), com Alessandra Sarto, Nutricionista (20 vagas).
  • 10h: Dobradura e recorte em papel (cartões e livros em 3D e arte de ensinar dobradura por meio de historias), com Gláucia Lombardi, arte educadora e autora da coleção Brincando com dobraduras.
  • 13h: Fazendo Arte (atividades artísticas e recreativas para crianças), com Gláucia Lombardi, arte educadora (20 vagas).
  • 14h: Aprendendo a Jogar Xadrez (aprendendo os movimentos e noções básicas do jogo de xadrez), com Rogério Pitarelli, da Equipe Parque Escola
  • Biodanza – (proporciona uma vivencia integradora, para que as pessoas possam restabelecer seu equilíbrio a partir do lúdico, movimento – emocao, relaxamento, respiracao – e do sentir), com Alexandra de Nicola (20 vagas)
  • 15h: Killing (arte de cortar e enrolar o papel e fazer cartões com formas variadas), com educadoras do Projeto Sementinha.
  • 18h: Brincando que se aprende (o jogo e o brincar estão diretamente ligados ao prazer e auxiliam na formação de grupos sociais, ou seja, o brincar e um fato social e fruto de integração), com Gisely Souza, professora de Educação Física.

19/11

  • 9h: Biodanza
  • 10h: Sucata e Pintura (Idéias de como utilizar materiais artísticos na escola), com Gláucia Lombardi, arte educadora (20 vagas).
  • 10h e 15h: Contação de Histórias (construir historias por meio de brincadeiras, jogos teatrais, musicas e dança), com Arlete Ferreira, arte educadora (20 vagas).
  • 13h: Dobradura e recorte em papel (cartões e livros em 3D e arte de ensinar dobradura por meio de historia), com Gláucia Lombardi (20 vagas).
  • 13h: Metainclusão Digital (reciclando computadores utilizando software livre), com Dalton Lopes Martins (20 vagas)
  • 14h: Alimentação e Qualidade de Vida (histórico da alimentação, funções dos alimentos, alimentação saudável, necessidade nutricional e pirâmide alimentar), com Alessandra Sarto, nutricionista (20 vagas).
  • 14h: Workshop de foto da lata (captação de Imagens PB com uma simples lata), com Edson Baesa, arte educador da EMIA (20 vagas, a partir de 10 anos).
  • 14h: Papel Artesanal – Porta retrato ( confecção do papel a partir de aparas e fibras vegetais e construção do objeto), com Fátima Daminato, arte educadora do Parque Escola (20 vagas).
  • 18h: Terrário (pequeno jardim fechado e auto-suficiente funcionando como um microecossistema), com a equipe Parque Escola (20 vagas).
  • 18h: Killing (arte de cortar e enrolar o papel e fazer cartões com formas variadas), com educadoras do projeto Sementinha.

Dia 20/11

  • 9h: Libras (prática de Língua Brasileira de Sinais), com Flaviana Borges da Silva, pedagoga (20 vagas)
  • 9h: O Brincar na Cultura Popular Brasileira (resgatar, valorizar e divulgar a atividade lúdica como um importante elemento da cultura popular brasileira para melhorar as relações entre educadores, educandos e familiares), com educadores parceiros do brincar (20 vagas).
  • 9h e 13h: Dança Circular Sagrada (usada para resgatar tradições antigas, como também para a harmonização individual e grupal), com Fernando de Vicenza, psicólogo (20 vagas).
  • 9h: Papel Artesanal – Porta retrato (confecção do papel a partir de aparas e fibras vegetais e construção do objeto), com Fátima Daminato, arte educadora do Parque Escola (20 vagas).
  • 14h e 16h: Brincando com a palavra (perder o medo do papel em branco e descobrir a subjetividade da palavra) , com Chico Lu, da EMIA (20 vagas em cada horário – o primeiro horário é para crianças de 8 a 12 anos e o segundo para adolescentes a partir dos 13 anos).
  • 15h30min: Biodanza
  • 18h: Aprendendo a Jogar Xadrez (Aprendendo os movimentos e noções básicas do jogo de xadrez), com Rogério Pitarelli, da equipe Parque Escola (10 vagas).
  • 18h: Killing (arte de cortar e enrolar o papel e fazer cartões com formas variadas), com Educadoras do projeto Sementinha

Dia 21/11

  • 9h: Criatividade, vida e educação: os caminhos da natureza (estimular a reflexão e a ação que levem a uma transformação de valores diante da vida, valorizando a natureza), com Valter Silva, pedagogo (20 vagas)
  • 9h: Aprendendo a Jogar Xadrez (Aprendendo os movimentos e noções básicas do jogo de xadrez), com Rogério Pitarelli, da equipe Parque Escola (10 vagas).
  • 9h: O brincar na cultura popular brasileira (resgatar, valorizar e divulgar a atividade lúdica como um importante elemento da cultura popular brasileira para melhorar as relações entre educadores, educandos e familiares), com educadores parceiros do brincar (20 vagas).
  • 14h: Percussão (técnicas de instrumentos variados de uso popular, priorizando ritmos brasileiros) (12 vagas em cada horário – o primeiro horário é para crianças de 8 a 12 anos e o segundo para adolescentes a partir dos 13 anos).

Bornal de Jogos (construção de jogos que auxiliam na aprendizagem das crianças), com a equipe CPCD

Excepcionalmente, esta oficina será realizada em três períodos, com três turmas diferentes: Dias 17, 18, 19, 20 e 21 (8h, 13h e 18h – nos dias 20 e 21 o horário das 18h será substituído pelo das 20h).

O Parque Escola fica na rua Anacleto Popote, 46, Valparaíso, Santo André, SP.

fonte: aomestrecomcarinho.com.br