Ritalina ajuda a estudar?

Ritalina para estudar

Muitos atribuem a responsabilidade das aprovações nos concursos ao uso da Ritalina. Contudo, trata-se de um medicamento controlado, que, portanto, necessita de prescrição médica.

Ritalina funciona?

Apelidada de pílula da inteligência, existe a ideia de que a Ritalina aprimora a memória. No entanto, a qualidade da memorização está relacionada ao grau de envolvimento do indivíduo com o assunto em questão: quanto maior ele for, mais acentuado o aprendizado e a fixação dos conceitos.

Ritalina: indicação

Essa droga é específica para tratar uma doença: transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). A administração dela pode ser importante, desde que indicada corretamente.

Nada impede que alguém que não tenha sido diagnosticado com a doença na infância, enfrente muitas dificuldades quanto ao processo de aprendizagem durante a vida, e somente adulto descubra ser portador de déficit de atenção.

Dentre quem possui a doença, menos de 10% recebe tratamento, além disso, a porcentagem de realização de terapias adequadas é pequena.

Ritalina x ansiedade

Após a coleta de dados envolvendo 1046 candidatos do vestibular de 2008, a revista de psiquiatria da USP publicou uma pesquisa sinalizando diferença de ansiedade entre os públicos masculino e feminino: os níveis moderado e grave era composto por 1/3 das meninas – resultado que pode ser ampliado para o público de concursos. Preocupar-se com a prova somente no momento em que for realizá-la ou pouco antes disso é um erro. Desse modo, esse público acaba sendo mal orientado sobre aspectos inerentes à saúde.

Ritalina faz mal?

A Ritalina também pode produzir efeitos adversos, e o uso dela deve ser embasado em determinados critérios, porém, em muitos lugares ele passou a ser desenfreado.

O medicamento pode provocar taquicardia (batimentos cardíacos acelerados), sensação de palpitação, e elevar a ansiedade.

Como ser aprovado em concursos e vestibulares

Consumir Ritalina não faz alguém ser aprovado em uma prova. Não há remédio que torne o indivíduo mais inteligente. A medicação simplesmente ajuda quem possui déficit de atenção. Alguns candidatos estudam muito pouco e decidem tomá-la, porém, a determinação do indivíduo em estudar é que faz a diferença.

Já está comprovado que a atividade física ocasiona transformações associadas à neuroplasticidade. Ao praticá-las, o indivíduo aprende tarefas que possuem início, meio e fim, e isso presta um auxílio muito mais significativo quanto ao desenvolvimento de disciplina do que ingerir Ritalina, assim, em vez de tomá-la, é aconselhável, por exemplo, praticar regularmente corrida em uma praça.

Existem muitas formas de estudar. No entanto, cada candidato aprovado tem uma receita própria. A forma como o ser humano aprende muda de uma pessoa à outra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *