Comer e correr em Paris

Quatro horas e 15 minutos correndo sem parar por Paris. Foi minha primeira maratona, um desafio que queria superar desde que comecei a correr. Como acontece com todo mundo que enfrenta os 42,125 km, uma pergunta passou pela minha cabeça: por que?

A corrida para mim funciona como uma forma de renovar a mente. Tem gente que aproveita a corrida para pensar na vida, quatro horas sem falar com ninguém é uma ótima oportunidade para isso. No meu caso, não penso em nada, é quase como se meu cérebro estivesse antiaderente, como uma daquelas frigideiras de teflon, os pensamentos vão e vem mas nada cola de fato.

A comida também tem esse efeito, e talvez por isso seja a minha maior paixão. Por um instante, mesmo que seja rápido demais, um bom prato te faz esquecer de tudo. Primeiro pela apresentação, que capta o olhar e acende a imaginação, depois pelo aroma que aproxima e prepara o paladar e finalmente pelo sabor que protagoniza e resume toda essa experiência…

Aquelas dicas de restaurantes em Paris que prometi semana passada tem tudo a ver com essas sensações, são três lugares que apresentam uma comida delicada, de sabores suaves, mas marcantes, e apresentação impecável, hipnotizante.

O primeiro é o Saturne, que fica ao lado da Bolsa de Paris. Por lá comi esse delicado steak tartare  da foto, leve, tanto em sabor quanto em textura, uma bela interpretação do clássico francês.

Outro lugar bacana para conhecer é o Le Dauphin, restaurante meio bar de vinhos e tapas do mesmo chef do Le Chateaubriand, que virou restaurante da moda em Paris depois de ter conseguido um belo lugar na lista dos 50 melhores da São Pelegrino. A comida é criativa, gente bonita se amontoa no salão e a conta não é nada assustadora.

A dica final é um clássico do qual já falei aqui no blog, o L’atelier  do Joel Robuchon. Dessa vez conheci a filial da Champs Elysées, do lado do Arco do Triunfo. Comi o melhor prato da viagem ou o prato que valeu a viagem, uma rabada fria com creme de cenouras, espetacular, fantástico mesmo. Foram garfadas que fizeram o tempo parar, sinto uma certa euforia toda vez que como algo surpreendente, muito parecido com a sensação que tive ao terminar a maratona. Talvez comida e corrida não sejam assim tão diferentes, e talvez aí esteja o porque…

Endereços:

Saturne:

17, rue Notre-Dame-des-Victoires 75002 Paris metro: Bourse

Le Dauphin

131, avenue Parmentier 75011 Paris metro: Goncourt

L´atelier Joel Robuchon

133, Avenue des Champs Elysées 75008 Paris metro: Charles de Gaulle Etoile

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *