Preto no prato

Inserir novidades na rotina sempre faz bem e inspira. Que tal sair do óbvio na sua lista de compras do supermercado? Tem um ingrediente que gosto muito de usar e apesar de estar começando a ficar famoso entre os cozinheiros, ainda é um alimento incomum na mesa dos brasileiros. Mas ele merece um lugar na sua dispensa porque é muito nutritivo, saboroso e versátil e, a melhor parte, é produzido no Brasil.

O arroz negro tem mais proteínas e menos caloria que o arroz integral e pode ser usado de várias formas na cozinha. No meu caso faço como acompanhamento para o atum semi-cru porque ele fica muito bom combinado com peixes e frutos do mar, mas pode também compor uma salada ou risoto de grãos.

O modo de preparo pode ser o mesmo para qualquer receita que você fizer com ele. A técnica é importante como em todos os processos de cozimento, para não ficar duro ou empapado. O bom é aquele que fica al dente.

Desde que descobri a família Ruzene, pequenos produtores de Pindamonhangaba, me apaixonei pelo arroz negro. Muitas pessoas acham que o arroz é feito com a tinta de lula, mas ele é naturalmente preto.

Sair do óbvio na cozinha não é muito fácil, mas é possível e faz bem pra alma. Tente essa receita prática para fazer em casa. Introduza cores novas e inesperadas nos alimentos e na sua vida!

Ingredientes

1kg de arroz negro

1 cebola roxa

1 dente de alho

100 ml Óleo de Canola

Modo de Preparo

Refogue o alho e a cebola.  Acrescente o arroz e cubra com água na panela de pressão. Cozinhe por 8 minutos na pressão. Tempere a gosto.

. . . . . . .

Já pensou em olhar mais para o céu? Acesse aqui (http://www.youtube.com/watch?v=niYDLivMXZ0).